Mandel Ngan/AFP
Mandel Ngan/AFP

Trump pede que apoiadores não responsabilizem campanha caso contraiam coronavírus

Quem comparecer aos atos públicos eleitorais terá que se comprometer a não processar a equipe do presidente caso se infecte com a covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2020 | 00h25
Atualizado 19 de junho de 2020 | 08h37

O presidente americano Donald Trump anunciou nessa quinta-feira, 11, a retomada de sua campanha eleitoral em busca da reeleição na votação de novembro, com atos nos estados de Oklahoma, Flórida, Arizona e Carolina do Norte, apesar de a pandemia continuar provocando mortes no país. Nestes três últimos estados, inclusive, o número de infectados aumentou recentemente.

No site da campanha de Trump, seus apoiadores têm que assinar um termo para participar dos eventos. "Ao clicar em registrar, você aceita que existe um risco de exposição à covid-19 em qualquer espaço público onde outras pessoas estejam presentes. Ao participar deste ato, você e qualquer convidado assumirá todos os riscos relacionados à exposição à covid-19", diz a página do comício que acontecerá em Oklahoma no próximo dia 19.

As pessoas que comparecerem aos próximos eventos de campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que concorre à reeleição, devem assinar um termo de isenção de responsabilidade, através do qual se comprometem a não entrarem na Justiça contra os organizadores caso sejam contaminados pelo novo coronavírus durante os comícios.

A informação apareceu nesta quinta-feira, 11, no portal de internet da campanha de Trump. Na última quarta-feira, o presidente anunciou que iria retomar os eventos de campanha em quatro estados do país – Oklahoma, Florida, Arizona e Carolina do Norte – após meses de uma paralisação forçada pela pandemia de covid-19, que ainda continua a avançar no país.

Após o relaxamento das medidas de prevenção em alguns estados, as infecções voltaram a aumentar na Flórida, Arizona e na Carolina do Norte, onde o presidente americano fará um de seus eventos de campanha. O primeiro comício de Trump após a paralisação será em Tulsa, no Oklahoma, no dia 19 de junho.

"Ao clicar no registro abaixo, você reconhece que o risco inerente de exposição à covid-19 existe em qualquer lugar público onde pessoas estejam presentes", afirma o portal da campanha republicana.

"Ao comparecer ao comício, você e seus convidados assumem voluntariamente todos os riscos de exposição à Covid-19 e aceitam isentar a campanha de Trump, ou qualquer um de seus afiliados, empresas contratadas ou funcionários, de qualquer responsabilidade", diz o termo de isenção.

O portal não recomenda nenhuma medida para controlar a disseminação do vírus, como o uso de máscara por parte dos participantes.

O evento de Tulsa vem gerando controvérsias em um momento em que o país atravessa semanas de protestos contra o racismo e a violência policial, que se seguiram à morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos, após ser brutalmente detido por policiais brancos em Minneapolis, no dia 25 de maio.

Apesar do retorno de Trump à corrida presidencial, o candidato democrata, Joe Biden, ainda não anunciou a retomada de sua campanha. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.