Saul Loeb e Nicholas Kamm / AFP
Saul Loeb e Nicholas Kamm / AFP

Trump pede que procurador-geral ponha fim à investigação sobre interferência russa

Presidente volta a falar em ‘caça às bruxas’ e diz que é preciso interromper o processo ‘antes que manche ainda mais nosso país’

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 11h29

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, pediu nesta quarta-feira, 1.º, ao procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, que ponha fim à investigação em andamento sobre a suspeita de ingerência da Rússia na eleição presidencial americana de 2016.

"É uma situação terrível e o procurador-geral Jeff Sessions deveria interromper essa caça às bruxas agora mesmo, antes que manche ainda mais nosso país", disse Trump em sua conta no Twitter, referindo-se à investigação conduzida pelo procurador especial Robert Mueller.

Na terça-feira, o republicano afirmou que “conluio não é crime”. “Mas isso não importa porque não houve conluio (exceto pela desonesta Hillary e pelos democratas)”, escreveu ele na mesma rede social, pouco antes do início do julgamento decorrente da investigação de Mueller sobre a Rússia.

Paul Manafort, ex-chefe de campanha do presidente, será o primeiro integrante da equipe eleitoral do então candidato republicano a ir a julgamento por acusações decorrentes da investigação sobre a ingerência russa na corrida presidencial de 2016 nos EUA.

Manafort, de 69 anos, declarou-se inocente em 18 acusações de fraude bancária e fiscal relacionadas a suas atividades de lobby a favor do antigo governo pró-russo da Ucrânia.

O indiciamento decorre da investigação de Mueller sobre a ingerência russa na última corrida eleitoral americana, embora as acusações não estejam ligadas ao trabalho de Manafort como chefe de campanha de Trump. / AFP e REUTERS

Veja abaixo: ​ex-chefe de campanha de Trump vai a julgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.