AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Trump pede 'sanções muito mais fortes' contra Pyongyang após novo teste militar

Em comunicado, Casa Branca convocou a comunidade internacional a aumentar a pressão contra a Coreia do Norte e reafirmou compromisso com aliados da região

O Estado de S.Paulo

14 Maio 2017 | 02h03

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pediu a adoção de sanções mais fortes contra a Coreia do Norte após o último teste de míssil do país, realizado no domingo.  

"Que essa última provocação sirva de chamado a todas as nações para implementar sanções muito mais fortes contra a Coreia do Norte", disse a Casa Branca em um comunicado. 

O míssil esteve "tão próximo do solo russo - de fato, mais perto da Rússia que do Japão - que o presidente não pode imaginar a Rússia esteja feliz com a situação", continua a nota.

A Coreia do Norte "tem sido uma ameaça flagrante por tempo demais. A Coreia do Sul e o Japão observam a situação de perto conosco", afirma o comunicado.

A nota afirma ainda que os Estados Unidos "mantêm seu compromisso de estar junto aos aliados ante à série ameaça que a Coreia do Norte representa". 

Pouco antes do anúncio do teste, um alto funcionário do Tesouro dos Estados Unidos declarou que esse departamento examina "todos os meios à sua disposição" para cortar as fontes de financimanento internacional de Pyongyang.

"Consideramos todos os recursos de que dispomos (...) para tentar detê-los", disse, referindo-se aos programas da divisão de luta antiterrorista e de inteligência financeira do Tesouro. 

A Coreia do Norte disparou um míssil no domingo, o primeiro teste militar do país desde a chegada ao poder do novo presidente sul-coreano Moon Jae-in. Depois do lançamento, Moon convocou uma reunião de emergência com seu gabinete. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.