REUTERS/Mike Blake
REUTERS/Mike Blake

Trump pedirá que Pentágono e diplomatas atuem mais em vendas de armas, dizem fontes

Segundo a 'Reuters', estratégia de pode beneficiar grandes empresas terceirizadas de defesa, como Lockheed Martin e Boeing; governo americano tenta cumprir promessa de campanha de criar empregos ao vender mais bens e serviços para o exterior

O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2018 | 15h01

WASHINGTON - O governo dos Estados Unidos está perto de completar um novo plano comercial que pedirá a adidos militares e a diplomatas que ajudem a angariar bilhões de dólares a mais em negócios no exterior para a indústria de armas americana, além da assistência que fornecem atualmente, disseram autoridades americanas.

OVNIs são reais? Pentágono tentou descobrir

O presidente Donald Trump deve anunciar já em fevereiro um esforço de “todo o governo” para aliviar regras de exportação sobre compras por países estrangeiros de equipamentos militares produzidos nos EUA, de caças e drones a navios de guerra e artilharia, de acordo com pessoas familiares ao plano.

Trump busca cumprir uma promessa da campanha eleitoral de 2016 de criar empregos nos Estados Unidos ao vender mais bens e serviços para o exterior para reduzir o déficit comercial dos EUA de um recorde em seis anos de US 50 bilhões.

O governo também está sob pressão de empresas terceirizadas da Defesa dos EUA que enfrentam crescente competição de rivais estrangeiros como China e Rússia. Mas qualquer alívio de restrições sobre venda de armas pode estar em desafio a defensores dos direitos humanos e de controle de armas, que dizem que há um grande risco de aumentar violência em regiões como o Oriente Médio e o Sudeste da Ásia ou de armas serem desviadas para uso em ataques terroristas.

Diplomatas e políticos criticam cortes de Tillerson

Além de um maior uso de uma rede de adidos militares e comerciais já fixados em embaixadas dos EUA em capitais estrangeiras, autoridades que falaram sob condição de anonimato disseram que outro impulso do plano será colocar em ação um realinhamento das Regulações de Tráfico Internacional de Armas (Itar). As Itar são uma política central que rege as exportações de armas desde 1976 e não são completamente renovada há mais de três décadas.

Este esforço governamental expandido em nome de fabricantes americanos de armas, junto a restrições mais frouxas sobre exportações de armas e tratamento de vendas mais favorável para aliados e parceiros de fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), pode gerar bilhões de dólares adicionais em negócios e mais empregos, disse uma autoridade sênior dos EUA, sem fornecer mais detalhes.

A estratégia de ter o Pentágono e o Departamento de Estado americano desempenhando um papel mais ativo na consolidação de acordos internacionais de armas pode beneficiar especialmente grandes empresas terceirizadas de Defesa, como a Lockheed Martin e Boeing.

“Nós queremos ver estes caras, os adidos comerciais e militares, irrestritos para serem vendedores destas coisas, para serem estimuladores”, disse a autoridade sênior do governo, que está próxima de deliberações internas e falou sob condição de anonimato.

Genro de Trump fechou venda de armas a sauditas

Uma autoridade do Departamento de Estado, solicitada a confirmar detalhes da futura nova política, disse que a abordagem renovada “dá a nossos parceiros uma maior capacidade de ajudar a compartilhar o fardo da segurança internacional, beneficia a base industrial de Defesa e fornecerá mais bons empregos para trabalhadores americanos”.

A Casa Branca e o Pentágono se negaram a comentar oficialmente.

Trump possui autoridade legal para instruir “oficiais de assistência da segurança” de embaixadas do governo, tanto militares quanto civis, a fazerem mais para ajudar a aumentar as vendas de armas.

Autoridades do governo veem este grupo, que já possui funções como gerenciamento de auxílio militar no exterior e fornecimento de informações para governos estrangeiros para compra de armas americanas, como subutilizado por presidentes anteriores. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.