AP Photo/Markus Schreiber
AP Photo/Markus Schreiber

Trump pediu a doadores demissão de embaixadora dos EUA na Ucrânia, mostra vídeo

Registro corrobora relato de Lev Parnas, ex-associado de advogado pessoal do presidente americano

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2020 | 22h02

WASHINGTON - Trump exigiu a demissão da então embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, Marie Yovanovitch, durante um jantar privado com seus principais doadores em abril de 2018, de acordo com um vídeo do evento analisado pelo The Washington Post. "Livre-se dela! Tire-a amanhã. Eu não me importo. Tire-a amanhã. Tire-a daqui. OK? Faça isso", Trump diz no registro. 

O vídeo corrobora o relato de Lev Parnas, ex-associado de Rudy Giuliani, advogado pessoal de Trump, sobre aquela noite. Em uma recente entrevista à Rachel Maddow, da MSNBC, Parnas afirmou que disse a Trump, naquele jantar, que Yovanovitch estava trabalhando contra ele – embora diga agora acreditar que estava errado em relação à ela.

O vídeo, divulgado no meio do julgamento de impeachment do Senado contra Trump, confirma as alegações de Parnas sobre o acesso que ele tinha ao presidente e a seu círculo íntimo. No dia 17 de janeiro, os democratas da Câmara divulgaram novos documentos mostrando amplo contato entre Parnas e um assessor do principal republicano no Comitê de Inteligência da Câmara. Os dois conversaram sobre formas de obter material prejudicial ao ex-vice-presidente Joe Biden. 

Trump é acusado de abuso de poder ao pedir ao presidente da Ucrânia, Volodmyr Zelensky, a investigação da família de Joe Biden. Ele teria condicionado uma ajuda econômica à obtenção de informações contra o possível candidato democrata. E também é acusado de obstrução ao Congresso por impedir diversas pessoas ligadas ao seu governo de prestar depoimento e por se recusar a entregar documentos aos investigadores durante o inquérito. / WP e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Donald TrumpJoe Biden

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.