Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Trump diz que Irã está 'baixando o tom' e que EUA estão prontos para paz

Presidente celebra fato de ataque iraniano a bases usadas por militares americanos no Iraque não ter deixado vítimas; cresce na diplomacia a certeza de que retaliação foi planejada para evitar efeitos colaterais e indicar saída para crise

Beatriz Bulla / Correspondente, Washington, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2020 | 13h46

No dia seguinte aos ataques iranianos contra bases usadas por tropas americanas no Iraque, Donald Trump preferiu evitar uma escalada no conflito e optou por mais sanções econômicas ao Irã. No primeiro pronunciamento após o ataque, nesta quarta-feira, 8, o presidente americano disse que está pronto para “abraçar a paz” e garantiu que prefere a pressão diplomática à opção militar. 

Em pronunciamento na Casa Branca, Trump comemorou o fato de os mísseis iranianos não terem deixado vítimas e anunciou novas sanções econômicas ao Irã – mas não detalhou quais. Dentro do governo americano, cresce cada vez mais a certeza de que Teerã lançou um ataque moldado para seu público interno, buscando causar o mínimo possível de efeitos colaterais.

A leitura da diplomacia americana é que a retaliação iraniana ofereceu uma saída honrosa para ambos os lados. Assim, Trump ficou à vontade para cantar vitória. “Nenhum americano foi ameaçado pelos bombardeios na noite passada”, disse o presidente, que prometeu “sanções poderosas” e afirmou que o regime iraniano parece estar “se acalmando”. “O que é uma coisa boa para todos os envolvidos e uma coisa boa para o mundo.”

De acordo com militares iraquianos, o Irã lançou, na noite de terça-feira, 22 mísseis contra duas bases que abrigam boa parte dos 5,2 mil soldados americanos no Iraque: Ain al-Assad e Irbil. Os ataques foram uma resposta iraniana à morte do general Qassim Suleimani, assassinado por um drone americano na semana passada.

Para Entender

EUA x Irã: entenda a cronologia da crise no Oriente Médio

Relembre os principais fatos do bombardeio que matou um americano no Iraque às consequências da morte do general Suleimani

Ao lado do presidente, durante o pronunciamento na Casa Branca, estavam o vice-presidente, Mike Pence, e os secretários de Defesa e de Estado, Mark Esper e Mike Pompeo.

Hoje, assessores da Casa Branca diziam nos bastidores que o comando militar americano soube dos ataques do Irã com antecedência. Os serviços de inteligência dos EUA foram alertados pelos iraquianos – quer por sua vez teriam sido informados pelos próprios iranianos.

O porta-voz do primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdul Mahdi, confirmou que o premiê recebeu um aviso prévio de Teerã. O alerta permitiu que as tropas dos EUA fossem colocadas em locais fortificados e seguros dentro das bases no Iraque.

Em Teerã, o governo iraniano, celebrou os ataques. Em pronunciamento na TV, o aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, disse que o lançamento de mísseis contra bases que abrigam tropas americanas no Iraque foi “um tapa na cara” dos EUA. O chanceler do Irã, Mohamed Javad Zarif, disse que seu país “concluiu medidas proporcionais de autodefesa” – o uso do termo “concluiu” teria sido recebido com alívio em Washington.

“Ficaria muito surpreso se o Irã tentasse algum ataque direto aos EUA, porque eles sabem que Trump ordenaria uma rápida retaliação”, afirmou Will Todman, analista do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), de Washington.

“Estabeleceu-se que Trump irá reagir quando há baixas dos EUA, mas não quando outros incidentes acontecerem. Estamos essencialmente de volta à situação que estávamos antes da morte de Suleimani. Os atos de agressão podem continuar, só há menos chance de que atinjam americanos”, afirma Todman.

Reunião de cúpula

Na terça-feira, 7, na sequência do ataque, Trump se fechou com a alta cúpula do governo americano na Casa Branca para discutir a estratégia.

“Enquanto eu for presidente, o Irã não será autorizado a ter uma arma nuclear. Bom dia”, começou Trump. Trump cobrou lideranças europeias a abandonarem o acordo nuclear assinado durante o governo Obama e partirem para uma nova negociação.

Os EUA saíram do acordo já sob a liderança de Trump, em 2018. “O Irã precisa abandonar sua ambição nuclear a apoio ao terrorismo. O tempo chegou para que Reino Unido, Alemanha, França e China reconheçam essa realidade. Precisamos trabalhar para chegar a um acordo com Irã que torne o mundo um lugar mais seguro”, disse Trump.

Para Entender

Em possível área de guerra, Estados Unidos têm 80 mil militares

Soldados americanos estão espalhados por 27 bases e instalações distribuídas em 12 países

O americano afirmou que vai pedir à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan)  para “se envolver cada vez mais” no processo de paz no Oriente Médio.

Ao dizer que o Irã tem patrocinado o terrorismo e perseguido o armamento nuclear, Trump enalteceu a ação que matou Suleimani e definiu o general como um líder que cometeu “as piores atrocidades”. “Ele estava recentemente planejando novos ataques, mas o paramos. Ele deveria ter sido eliminado há muito tempo”, disse Trump.

O governo americano afirma que Suleimani representava uma ameaça iminente contra os EUA, justificativa usada para ordenar o ataque que matou o general.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.