REUTERS/Mike Theiler
REUTERS/Mike Theiler

Trump propõe treinamento para armar professores e melhorar segurança nas escolas

Plano prevê também uma reforma do sistema de fiscalização de antecedentes penais na hora da comprar armas

O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 01h03
Atualizado 12 Março 2018 | 11h18

WASHINGTON - A Casa Branca revelou no domingo 11 um plano para reforçar a segurança nas escolas dos EUA, que prevê treinamento para armar professores e uma reforma do sistema de fiscalização de antecedentes penais na hora da comprar armamento.

+ Governador da Flórida amplia controle de venda de armas no Estado

+ Atirador da Flórida é indiciado por 17 mortes em massacre de Parkland

O projeto determina a criação de uma comissão federal para analisar as soluções encontradas pela secretária de Educação, Betsy DeVos, visando impedir novos ataques a tiros nas escolas americanas.

+ Senado da Flórida rejeita proposta de proibir fuzis e vota para armar professores

Apesar de Trump ter expressado o desejo de aumentar a idade necessária para comprar alguns tipos de armas, como fuzis, de 18 para 21 anos, o plano não contempla a proposta. A Casa Branca se limita a dizer que estudará a questão.

"Hoje estamos anunciando ações significativas, passos que podem ser dados agora mesmo para proteger os estudantes", disse a secretária em uma entrevista coletiva para detalhar o plano. Ela afirmou que o projeto é "pragmático". 

A proposta de Trump determina que o Departamento de Justiça auxilie os Estados e as autoridades locais a "oferecer um rigoroso treinamento de armas para voluntários das escolas qualificadas". Não há, no entanto, uma previsão de custos do projeto.

Além disso, a Casa Branca expressou respaldo à proposta do republicano John Cornyn e do democrata Chris Murphy que busca dar às autoridades locais e federais mais incentivos para reportar informações relevantes ao Sistema Nacional de Verificação de Antecedentes Criminais (NICS).

Essas medidas foram divulgadas após o massacre ocorrido em uma escola de Parkland, na Flórida. Nikolas Cruz, de 18 anos, invadiu o local e matou 17 pessoas. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.