Scott Olson/Getty Images/AFP
Scott Olson/Getty Images/AFP

Trump quer colocar painéis solares no muro na fronteira com México para financiar obra

Presidente argumentou que energia produzida ajudaria nos custos da construção da barreira, fazendo com que o país vizinho gaste ‘menos dinheiro’; analistas dizem que obra é possível, mas inviável

O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 11h34
Atualizado 22 de junho de 2017 | 20h07

WASHINGTON - O presidente americano Donald Trump apresentou na quarta-feira 21, em Iowa, a "ideia" do muro que pretende construir ao longo da fronteira entre EUA e México: uma barreira com painéis solares para financiar seu custo. Assim, a energia produzida ajudaria a financiar a obra e faria com que o país vizinho gastasse ‘muito menos dinheiro’

"Sim, vamos construir um muro. Precisamos impedir que as drogas sigam chegando às nossas casas", disse o republicano em uma reunião com partidários em Cedar Rapids. "Vou lhes revelar uma ideia que ninguém escutou: na fronteira sul há muito sol, muito calor (...) e estamos pensando em construir um muro solar (...) cuja energia irá financiar sua construção.”

Apesar da alegação de Donald Trump de que a ideia do "muro" solar é sua, diversos veículos de imprensa dos EUA atribuem a uma das dezenas de propostas enviadas por várias empresas que participaram da licitação pública para a construção da barreira.

A companhia em questão se chama Gleason Partners, cujo fundador, Thomas Gleason, disse recentemente ao jornal The Washington Post que seu projeto iria gerar dois megawatts de eletricidade por milha, o suficiente para fornecer energia a 350 casas.

"Pensem por um momento: quanto mais alto, mais energia vai gerar, mais valor terá”, disse Trump. "Será fantástico."

A obra proposta por Gleason custaria cerca de US$ 7,5 milhões por milha, afirmou o empresário ao jornal.

A intenção do presidente é possível tecnicamente, mas seria inviável economicamente, segundo analistas. Especialistas em energia ponderam que levaria muito mais tempo porque há partes da fronteira obstruídas ou inaptas atualmente para projetos de energia solar. 

Um dos proprietários da companhia Elemental explicou ao Business Insider que, considerando o valor estimado da construção do muro – o MIT (Massachusetts Institute of Technology) calcula em US$ 38 bilhões – e o tamanho da obra, com uma grande quantidade de placas de energia solar a serem instaladas, o projeto, para ser viável, levaria décadas. 

A fronteira entre os dois países percorre mais de 3,2 mil quilômetros através de quatro Estados americanos, mas apenas metade dessa distância está em terras desobstruídas. O engenheiro Allan Gao, da LanzaTech, acredita que, considerando todos os custos da obra e a geração de energia solar que ela poderia render, seriam necessários ao menos 78 anos para ela se pagar.

A construção de um muro na fronteira com o México é uma das grandes promessas de campanha de Trump, que afirmou diversas vezes em seus comícios que essa barreira não custaria nem um dólar aos americanos e seria financiado pelo governo mexicano.

As declarações causaram problemas diplomáticos com o México. Além de não se retratar, o magnata solicitou ao Congresso um orçamento para a construção do muro, com a promessa de que depois seria reembolsado pelos mexicanos, mas os democratas se negaram a aprovar o texto. / AFP e EFE

Reveja: México não vai pagar muro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.