Bloomberg photo by Andrew Harrer.
Bloomberg photo by Andrew Harrer.

Trump quer dialogar com a Coreia do Norte 'sob condições adequadas'

O presidente americano não revelou quais seriam as condições, mas o governo sul-coreano pediu a Washington que reduza o nível de exigências nas discussões

O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2018 | 21h05

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que os Estados Unidos estão dispostos a conversar com o regime da Coreia do Norte, mas apenas “sob as condições adequadas”.

“Temos sido muito duros com eles e, pela primeira vez, querem falar conosco. Vamos ver o que acontece”, disse Trump durante uma reunião com os governadores dos Estados federados, depois que Pyongyang disse estar disposto a voltar à mesa de negociação. No entanto, o presidente americano não detalhou suas condições para um eventual diálogo.

“Acredito que o governo americano tem de reduzir o nível de exigência nas discussões e a Coreia do Norte tem de mostrar sua determinação para avançar até a desnuclearização”, declarou nesta segunda-feira o presidente sul-coreano, Moon Jae-in. “É importante que EUA e o Norte sentem juntos o mais rápido possível.”

O presidente sul-coreano fez o possível para que os Jogos Olímpicos, que terminaram no domingo, fossem uma oportunidade para reduzir a tensão entre as duas Coreias. O governo de Pyongyang enviou atletas ao Sul em uma tentativa de mostrar uma face mais simpática. O líder norte-coreano. Kim Jong-un, enviou sua irmã para a cerimônia de abertura.

No domingo, a presidência sul-coreana anunciou que a Coreia do Norte estava “disposta” a conversar com os EUA após um encontro com a delegação norte-coreana após o encerramento dos Jogos Olímpicos.

A delegação norte-coreana manifestou sua “concordância com os diálogos intercoreanos e com o fato de que as relações entre o Norte e os EUA deveriam melhorar conjuntamente", segundo um comunicado de Seul. O gesto de abertura foi feito dias após Washington impor novas sanções contra Pyongyang. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.