Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

Trump quer que EUA comprem a Groenlândia da Dinamarca

Governo da ilha, que pertence à Dinamarca, diz que o território não está à venda

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2019 | 10h23

O presidente americano, Donald Trump, consultou seus assessores sobre a possibilidade de os Estados Unidos comprarem a Groenlândia, segundo o Wall Street Journal.

Trump expressou interesse no vasto território autônomo dinamarquês - coberto principalmente por gelo -, perguntando a seus conselheiros se é possível que os Estados Unidos o adquiram, disse o jornal na quinta-feira, citando pessoas que conhecem as discussões.

O presidente tem curiosidade sobre os recursos naturais e a relevância geopolítica da área, segundo o WSJ. O ex-presidente Harry Truman já se dispusera a comprar a ilha em 1946 por US$ 100 milhões.

Para Entender

Guia: como a disputa no Ártico com Rússia e China motiva interesse dos EUA na Groenlândia

Investimentos chineses e atividade militar russa fazem Washington tentar projetar maior influência na região

Plano irrita dinamarqueses e groenlandeses

A ideia irritou políticos dinamarqueses. Alguns parlamentares acusaram o americano de colonialismo ao cogitar da aquisição do território, conhecido pelas reservas de água doce, petróleo e gás. 

“Estamos abertos para negócios, mas NÃO à venda”, disse a ministra das Relações Exteriores da Groenlândia, Ane Lone Bagger,

“A ideia de que algum país possa comprar a Groenlândia - como se fosse uma colônia - é muito estranha”, disse Michael Aastrup Jensen, do partido de centro-direita Venstre. 

O ex-primeiro-ministro dinamarquês Lars Rasmussen comparou a iniciativa a uma brincadeira. “Deve ser uma piada de primeiro de abril”, escreveu em sua conta no Twitter. 

O presidente do Comitê de Relações Exteriores do Parlamento dinamarquês, Martin Lidegaard, foi na mesma linha. “Os habitantes da Groenlândia tem seus direitos”, disse. “Espero que seja uma brincadeira.” 

Ideia provoca dúvidas no governo americano

A Groenlândia é uma região autônoma da Dinamarca, que colonizou a ilha de dois milhões de quilômetros quadrados no século 18 e abriga cerca de 57.000 pessoas, a maioria pertencente à comunidade inuit. 

A Casa Branca não emitiu nenhuma declaração oficial e a embaixada dinamarquesa em Washington não comentou o caso.

Alguns conselheiros de Trump acreditam que adquirir a Groenlândia pode ser benéfico para os Estados Unidos, enquanto outros consideram a ideia um "fascínio efêmero" do presidente, afirma o Wall Street Journal

Opositores de Trump dizem que esse interesse decorre de um desejo de deixar um legado de sua administração, de acordo com o jornal. 

EUA tem base militar na Groenlândia

Assessores do presidente discutem o potencial de investigação e maior influência militar dos Estados Unidos.  A Base Aérea de Thule, americana, está na Groenlândia há décadas. 

A Groenlândia é coberta em 85% por uma faixa de gelo de 3 km de espessura que contém 10% das reservas de água doce do planeta. 

Mas a maior ilha do mundo sofreu os efeitos da mudança climática, segundo os cientistas, e se tornou um bloco gigante de gelo no processo, ameaçando inundar as áreas costeiras do planeta algum dia. 

Em julho, 12 bilhões de toneladas de gelo da Groenlândia afundaram no mar, um nível sem precedentes. 

Trump, que em 2017 retirou os Estados Unidos do acordo climático de Paris, deve visitar Copenhague em setembro. 

Não é a primeira vez que o presidente expressa interesse por propriedades em outros países: em uma ocasião ele disse que as "fantásticas praias" da Coreia do Norte seriam o local ideal para alguns prédios de apartamentos./ AFP, W POST e Reuters

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.