AFP PHOTO / Brendan Smialowski
AFP PHOTO / Brendan Smialowski

Trump quer retirar isenções fiscais da NFL após protestos dos jogadores

Presidente dos Estados Unidos está em rota de colisão com jogadores que se ajoelham antes das partidas contra a violência policial contra minorias raciais.

O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2017 | 15h11

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira, 10, que a Liga Nacional de Futebol Americano (NFL, na sigla em inglês) não deveria ter isenções de impostos, retomando suas críticas à entidade devido aos protestos silenciosos de jogadores durante a execução do hino nacional.

+ Trump ordena e vice-presidente deixa jogo da NFL após protestos

“Por que a NFL está recendo enormes isenções fiscais e ao mesmo tempo desrespeitando nosso Hino, Bandeira e país? Mudem a lei tributária!”, escreveu Trump em uma postagem no Twitter. Não ficou claro o que exatamente Trump estava exigindo, e representantes da Casa Branca não responderam de imediato a um pedido de comentário.

A NFL abriu mão da isenção fiscal federal em 2015, mas Estados e localidades dos EUA ainda oferecem isenções de impostos multibilionárias à liga para atrair times e financiar estádios.

Trump está há semanas em rota de colisão com jogadores da NFL que se ajoelham durante o hino antes dos jogos, dizendo que o gesto desrespeita o país. No mês passado ele fez um clamor com palavras contundentes para que os jogadores que realizam o gesto sejam demitidos e provocou uma reação inicial forte, inclusive de alguns técnicos e proprietários de equipes.

A demonstração silenciosa dos jogadores, que começou no ano passado em protesto contra a violência policial contra minorias raciais, foi adotada mais amplamente em reação aos comentários mais recentes de Trump, e mais jogadores passaram a se ajoelhar, enquanto outros têm preferido unir os braços.

Em setembro vários parlamentares republicanos insinuaram que as benesses fiscais deveriam acabar devido aos protestos, noticiou o jornal Washington Post.

No domingo, o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, saiu de um jogo da NFL depois que alguns jogadores se ajoelharam. Separadamente, o dono do Dallas Cowboys, Jerry Jones, disse que deixará os jogadores que desrespeitarem a bandeira do país no banco.

Relembre histórico de protestos de atletas negros no esporte americano

Na segunda-feira, o canal a cabo ESPN foi arrastado para o debate ao suspender uma de suas comentaristas por ela ter publicado um tuíte sobre os protestos e o comentário de Jones. A ESPN, que pertence ao grupo Walt Disney, disse ter sido a segunda violação de diretrizes para redes sociais cometida por Jemele Hill./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.