REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst

Trump recebe ministro de Relações Exteriores russo na Casa Branca

Reunião nesta quarta é contato de mais alto nível entre EUA e Rússia desde que o republicano tomou posse; encontro ocorre um dia após demissão do diretor do FBI que investigava vínculos da campanha do magnata com o Kremlin

O Estado de S.Paulo

10 Maio 2017 | 01h52
Atualizado 10 Maio 2017 | 13h41

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebeu nesta quarta-feira na Casa Branca o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, para uma reunião a portas fechadas no Salão Oval.

A reunião é o encontro de mais alto nível de Trump com o Kremlin desde sua chegada ao poder, em 20 de janeiro. Antes de ir à Casa Branca, Lavrov foi recebido no Departamento de Estado pelo secretário de Estado americano, Rex Tillerson, para tratar de vários assuntos, entre eles os conflitos na Ucrânia e na Síria.

Os encontros que Lavrov terá hoje em Washington acontecem um dia depois de Trump anunciar da demissão do diretor do FBI, James Comey, que comandava uma investigação dos possíveis vínculos entre a campanha eleitoral do magnata com a Rússia. "Foi demitido? Estão brincando, estão brincando!", ironizou Lavrov, ao ser perguntado a respeito pelos jornalistas enquanto posava para fotos com Tillerson no Departamento de Estado.

A Casa Branca não deu detalhes sobre os temas que possivelmente Trump e Lavrov debaterão, mas na semana passada o presidente americano e o presidente russo, Vladimir Putin, identificaram a Síria como um assunto prioritário de diálogo durante uma conversa por telefone.

Os Estados Unidos não integraram o acordo firmado por representantes dos governos de Síria, Rússia, Irã e Turquia na quinta-feira passada, em Astanna, capital do Casaquistão. Washington recebeu o plano com extrema prudência, manifestando sua preocupação com o papel do Irã como país avalista. 

O encontro entre Trump e Lavrov pode ser visto como um sinal de progresso. O diplomata russo não visita Washington desde 2013, um ano antes de a Rússia anexar a região ucraniana da Crimeia e dois anos antes da intervenção militar na Síria para auxiliar Assad a permanecer no poder na Síria.

Lavrov está visitando Washington antes de viajar ao Alasca para participar com Tillerson do 10º encontro ministerial dos países-membros do Conselho do Ártico, que acontece entre esta quarta e a quinta-feira. / EFE, REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.