AP Photo/Alex Brandon, File
AP Photo/Alex Brandon, File

Trump refaz os seus planos para a noite da votação e cancela festa em hotel

Presidente planejava encontro no hotel Trump International, em Washington, mas agora deve esperar o resultado na Casa Branca

Maggie Haberman, The New York Times

30 de outubro de 2020 | 14h00

O presidente Donald Trump cancelou os planos de passar a noite da eleição, que acontece na próxima terça-feira, 3, no hotel Trump International em Washington. Ele deve permanecer na Casa Branca, residência oficial da presidência, de acordo com uma fonte próxima ao mandatário.

Conselheiros haviam dito em particular que Trump faria uma aparição em seu hotel para uma festa na noite após o fim da votação. A sua campanha já havia distribuído diversos pedidos de arrecadação para os apoiadores a fim de custear o encontro.

“O dia 3 de novembro entrará para a história como a noite em que ganhamos MAIS QUATRO ANOS. Será ÉPICO, e a única coisa que pode tornar o dia ainda melhor é ter a SUA presença aqui”, dizia o convite do presidente, que incluía uma foto sua junto à primeira-dama, Melania Trump, com a legenda “Junte-se a nós na noite da eleição”.

Não está claro, porém, o motivo pelo qual os planos foram alterados. A presença de Trump em seu próprio hotel na noite da eleição poderia reforçar a percepção de que o presidente mistura os seus negócios particulares com o cargo de presidente.

O encontro também poderia levantar questionamentos acerca da violação das restrições de Washington contra a disseminação do novo coronavírus; por lá, estão permitidas reuniões com, no máximo, 50 pessoas. Além disso, a festa teria que ser paga pela campanha, que vem enfrentando uma crise financeira nas últimas semanas.

Procurado, um porta-voz de Trump não quis comentar a decisão.

A mudança de última hora também acontece em um momento em que o oponente de Donald Trump, o ex-vice-presidente Joe Biden, mantém a liderança em pesquisas nacionais e uma menos acentuada em estados-chave.

Para Entender

Trump ou Biden? Ferramenta mostra quem venceria hoje nos EUA

A cada dia fazemos 10 mil eleições simuladas, com dados das pesquisas mais recentes, para estimar o resultado mais provável em cada Estado e no colégio eleitoral

Nos últimos dias, Trump, que é profundamente supersticioso, tentou recriar o máximo de condições semelhantes às vivenciadas por sua campanha em 2016.

Houve esforços grosseiros de sua parte para tentar levantar questionamentos acerca dos negócios envolvendo o filho mais novo de Biden, Hunter, algo parecido à maneira como atacou sua oponente de 2016, Hillary Clinton. Trump também se cercou de pessoas que estavam na reta final de sua última corrida eleitoral, como David Bossie, um dos coordenadores daquela campanha, assim como a assessora Hope Hicks e o conselheiro Jason Miller.

A maneira como Trump lida com a política sempre foi de tratá-la como algo que tem uma premissa mística, governada por forças sobrenaturais em um mundo onde as coisas costumam agir a seu favor. O resultado desta votação, depois de uma campanha em que Trump foi seriamente avaliado pelos eleitores pela forma como lidou com a pandemia do novo coronavírus, pode contar a ele uma história bastante diferente. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.