Justin Lane/EFE
Justin Lane/EFE

Trump restringe imigração em meio a alta no desemprego de Estados-chave para eleição de novembro

A seis meses das eleições, americano enfrenta perspectiva ruim na economia em razão da pandemia de coronavírus, com recessão e demissões em proporção maior que a média dos EUA no Meio-Oeste, região que lhe garantiu a vitória em 2016

Beatriz Bulla / Correspondente, Washington, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2020 | 20h56

O presidente dos EUA, Donald Trump, ordenou a suspensão por 60 dias da emissão de “green cards” – o documento de residência permanente concedido a estrangeiros. Com o aprofundamento da recessão, em meio à pandemia de coronavírus, ele decidiu ainda restringir temporariamente a entrada de imigração. 

A justificativa é de que é preciso garantir que americanos que estão desempregados tenham lugar no mercado de trabalho quando a economia voltar a funcionar. “Milhões de americanos sacrificaram seus empregos, temos o dever de assegurar que consigam recuperar seus trabalhos”, disse Trump.

Com a campanha à reeleição fundamentada no sucesso da economia, Trump vê sua candidatura ameaçada pelo número crescente de desempregados. Na semana passada, novos dados mostraram que a situação é pior em Estados-chave para a vitória em novembro. No último mês, 22 milhões recorreram ao seguro-desemprego, o que representa 14% da força de trabalho. 

Em Michigan, onde Trump ganhou por apenas 10 mil votos de Hillary Clinton, em 2016, o cadastro de novos desempregados representa 21% dos trabalhadores do Estado. Na Pensilvânia, 19,8% dos trabalhadores se registraram como desempregados. Em Nevada e Ohio, também cruciais no xadrez eleitoral, as taxas foram de 19,3% e 14,6%, respectivamente, ambas acima da média nacional. 

Segundo Trump, a suspensão das emissões de “green cards” por 60 dias pode ser estendida e novas medidas para conter a imigração podem ser adotadas. Não está claro, no entanto, como as medidas do presidente recolocarão no mercado de trabalho os que perderam emprego.

Trump mantém para seu eleitorado, contudo, o discurso de que tem feito tudo o que está ao seu alcance para minimizar as consequências da recessão. Como parte dessa estratégia, ele tem também pressionado os governadores a relaxar as medidas de isolamento e reativar a economia. 

Na segunda-feira, Trump escreveu em sua conta no Twitter que assinaria uma ordem executiva para “suspender temporariamente a imigração para os EUA”. Os técnicos do governo, pegos de surpresa, passaram o dia de hoje tentando redigir a medida. 

Trump negou que esteja usando a pandemia como justificativa para avançar com uma política anti-imigração. “Não, não. Quero que as pessoas neste país tenham emprego. Temos uma situação atípica. Quero que os americanos estejam aptos a conseguir empregos, não quero competição”, disse Trump. “Os fazendeiros não serão afetados.” O setor rural é um importante eleitorado dele.

Inicialmente, Trump planejava restringir também os programas de trabalho para visitantes, o que afetaria a permanência de trabalhadores agrícolas, especialistas em alta tecnologia e outros tipos de visto especial de trabalho. Segundo o New York Times, no entanto, ele voltou atrás depois de receber reclamações do empresariado, que teme a perda de parte da força de trabalho. 

Recuo

O anúncio acabou tendo uma extensão menor do que Trump sugeriu no Twitter, mas tem o potencial de prejudicar trabalhadores e parentes que já vivem nos EUA ou estão no processo de obtenção da residência. No ano passado, cerca de 1 milhão de pessoas obtiveram o “green card”. De acordo com o New York Times, a ordem de Trump não afeta todos os casos, pois trabalhadores considerados essenciais, como os da área de saúde, continuarão a ter acesso à residência permanente. 

Durante a pandemia, o governo já vinha limitando a concessão de visto e restringido a entrada de imigrantes com pedido de asilo. O discurso anti-imigração foi pilar da campanha de Trump em 2016. Na prática, o governo vem desmontando os instrumentos de imigração legal e dificultando o fluxo de trabalhadores estrangeiros. 

Cerca de 60% dos americanos veem com bons olhos a imigração. Mas, quando questionados sobre políticas de imigração, 30% responderam ao instituto Gallup, em 2019, que gostariam que o fluxo de imigrantes crescesse, enquanto 31% disseram que gostariam que o nível diminuísse e 37% disseram que gostariam que o patamar continuasse como estava.

Segundo o Migration Policy Institute, ao menos 6 milhões de imigrantes trabalham na linha de frente dos serviços prestados durante a pandemia, sejam em serviços de saúde ou outros, como setor de alimentos e entregas. O sistema de saúde dos EUA precisa do trabalho de imigrantes, que são cerca de 30% dos médicos e 23% dos farmacêuticos.

Quase 12 mil empregados da área de saúde possuem uma permissão temporária de permanência (TPS, na sigla em inglês), concedido normalmente a países que sofreram desastres naturais, como El Salvador, Honduras e Haiti. Trump também tem tentado reverter a permanência de parte dos que possuem TPS, com a ameaça de jogar imigrantes nestas condições na ilegalidade, mesmo que eles vivam há mais de duas décadas nos EUA. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Donald Trumpimigraçãocoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.