Jonathan Ernst / Reuters
Jonathan Ernst / Reuters

Trump retoma campanha em meio à polêmica sobre declarações racistas

Presidente americano retornou às viagens de campanha três dias depois de publicar um tuíte considerado racista

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2019 | 03h03

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, retomou suas viagens de campanha nesta quarta-feira, 17, um dia após o Congresso dos Estados Unidos aprovar uma condenação aos comentários considerados racistas de Trump. 

"Estes ideólogos de esquerda (...) querem destruir nossa Constituição, suprimir os valores sobre os quais nosso magnífico país foi construído", disse o presidente em Greenville, na Carolina do Norte. "Esta noite, renovamos nossa determinação de que os Estados Unidos não se tornarão um país socialista."

A declaração foi dada três dias depois da polêmica ligada aos tuítes do presidente, nos quais ele aconselhou quatro congressistas eleitas pelo Partido Democrata a "voltarem" para seus países de origem, "lugares infestados pela criminalidade".

Nesta quarta, Trump disse que falará das pessoas que amam os EUA e daquelas que o detestam, mostrando que insistirá no mesmo tom, responsável por uma onda de indignação.

Na disputa pela reeleição em 2020, o magnata republicano, de 73 anos, dá passos firmes, ainda que arriscados. Alimentando tensões raciais e ideológicas, ele renuncia claramente a adotar um discurso conciliador e se concentra, mais do que nunca, na mobilização do eleitorado branco.

As quatro representantes que foram alvo de Trump são Alexandria Ocasio-Cortez (Nova York), Ilhan Omar (Minnesota), Ayanna Pressley (Massachusetts) e Rashida Tlaib (Michigan). Três delas nasceram nos EUA. Em entrevista conjunta à CBS, elas disseram se tratar de uma manobra política da parte do presidente americano. "É uma maneira de distração (...) para não falar de temas que realmente preocupam os americanos", disse Ayanna Pressley.

Controlada pela oposição democrata, a Câmara de Representantes rejeitou nesta quarta a proposta para se iniciar um processo de impeachment contra Trump. A proposta foi rejeitada por 332 votos contra 95, o que revelou a divisão dentro do Partido Democrata sobre o tema.

Na terça-feira, a Câmara havia aprovado uma resolução condenando "energicamente os comentários racistas do presidente Donald Trump, que tem legitimado e incrementado o medo e o ódio contra novos americanos e contra as pessoas de cor".

'Abertamente racista' 

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, mostrou-se neutro: "Todos temos uma responsabilidade (...), nossas palavras são importantes", afirmou ele, antes de acrescentar que o presidente "não é um racista".

Para o líder dos republicanos na Câmara, Kevin McCarthy, toda esta controvérsia "é só uma história política".

As declarações dadas pelo presidente americano não parecem afetar sua popularidade entre os eleitores republicanos. O índice de aprovação no país aumentou cinco pontos, chegando a 72%, de acordo com pesquisa Reuters/Ipsos realizada na segunda e na terça. Em comparação com a semana passada, seu índice de popularidade no eleitoral em geral se manteve estável, em 41%.

Para Joe Biden, vice-presidente de Obama durante oito anos e atual pré-candidato democrata à Casa Branca, nenhum chefe de Estado americano "foi tão abertamente racista como este homem". "Pode-se imaginar um presidente conservador como George W. Bush, dando essas declarações racistas?", questionou o também pré-candidato democrata na corrida para 2020 Bernie Sanders. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.