Yuri Gripas / Reuters
Yuri Gripas / Reuters

Trump sabia da denúncia do ‘whistleblower’ quando liberou ajuda militar à Ucrânia

Advogados da Casa Branca relataram a acusação ao presidente em agosto, explicando que eles estavam tentando determinar se eram legalmente obrigados a encaminhá-la ao Congresso

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2019 | 10h31

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sabia da denúncia do “whistleblower” sobre os acordos com a Ucrânia quando liberou a ajuda militar ao país que havia sido congelada em setembro, de acordo com duas fontes próximas ao caso.

Advogados da Casa Branca relataram a acusação a Trump em agosto, explicando que eles estavam tentando determinar se eram legalmente obrigados a encaminhá-la ao Congresso, informaram as fontes.

Para Entender

O que é um 'whistleblower' e como são encaminhadas suas denúncias nos EUA?

Termo ficou em evidência após uma denúncia anônima de funcionário da Casa Branca ter culminado em pedido de impeachment do presidente Donald Trump

A revelação pode lançar uma luz sobre duas questões críticas do processo de investigação do impeachment: a decisão de Trump em setembro de fornecer US$ 391 milhões em assistência militar à Ucrânia e o fato de que ele negou a um embaixador na mesma época que havia um “toma lá, dá cá” com Kiev. 

Pressão dos dois lados

O presidente americano enfrentou pressão dos dois lados do Congresso quando liberou o auxílio. Mas o novo detalhe sobre o assunto mostra que ele também sabia, na época, que o “whistleblower” o havia acusado de irregularidades ao congelar a ajuda militar e ao ampliar a campanha para pressionar o presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, a conduzir uma investigação sobre o pré-candidato democrata à presidência dos EUA Joe Biden, possível principal rival de Trump nas eleições de 2020.

Para Entender

O processo que pode levar ao impeachment de Trump

É possível que o presidente americano seja deposto? Como ficam as eleições americanas de 2020? Fique por dentro dessas questões com este conteúdo especial

A denúncia do “whistleblower” - um oficial da Agência de Inteligência Americana (CIA) que a encaminhou ao principal responsável pelo setor de inteligência em meados de agosto - colocou no centro da campanha de pressão uma ligação feita no dia 25 de julho entre os presidentes americano e ucraniano, realizada quando Trump já havia congelado a ajuda militar ao governo da Ucrânia. 

Trump pediu a Zelenski que “fizesse um favor” e falou sobre a investigação que ele queria que fosse conduzida, alarmando assessores da Casa Branca, que transmitiram suas preocupações ao “whistleblower”. A Casa Branca não quis comentar o caso.

Decisão de congelar ajuda

Novos detalhes também surgiram na terça-feira sobre a decisão de congelar a ajuda militar à Ucrânia. Um funcionário do departamento de orçamento da Casa Branca, Mark Sandy, disse em um depoimento que no dia 12 de julho recebeu um e-mail do escritório do chefe de gabinete interino da Casa Branca, Mick Mulvaney, que o notificava que Trump havia ordenado a funcionários da administração o congelamento do auxílio.

Para Entender

Qual a relação de Joe Biden com a Ucrânia no escândalo do impeachment de Trump

Filho do ex-vice presidente dos EUA trabalhou durante anos em empresa ucraniana e Trump o acusa de interferir em investigações para interesse próprio

Ainda não se sabe quantos detalhes os advogados forneceram a Trump com relação à denúncia do “whistleblower”. O jornal New York Times informou em setembro que os assessores da Casa Branca - John A. Eisenberg e Pat A. Cipollone - souberam sobre a acusação em agosto. Mas detalhes específicos sobre quando e como Trump soube deles ainda não foram divulgados. / NYT

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.