Mandel Ngan/AFP
Mandel Ngan/AFP

Trump sugere injeção de desinfetante para limpar pulmões contra coronavírus

Presidente dos Estados Unidos chocou comunidade científica com sugestão em entrevista

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2020 | 08h31

O presidente dos  Estados Unidos, Donald Trump, sugeriu métodos sem embasamento científico para combater o novo coronavírus em seu briefing diário na Casa Branca na quinta-feira, 23. Ele comentou sobre o uso de uma injeção de desinfetante e da luz ultravioleta. 

“Veja o desinfetante, que derruba o vírus num minuto. Um minuto. Haveria alguma forma de fazer algo do gênero, como injetar ou fazer uma limpeza em uma pessoa?”, perguntou. Trump também falou sobre a luz ultravioleta no combate à pandemia. "Supondo que atingimos o corpo com uma tremenda intensidade - seja ultravioleta ou apenas uma luz muito poderosa. Acho que você disse que não foi verificado, mas vamos testá-lo?".

Buscando a afirmação de sua opinião, Trump recorreu à Dra. Deborah Birx, coordenadora de resposta ao coronavírus da Casa Branca. Ele perguntou se ela tinha ouvido falar do sucesso da luz solar como uma ferramenta eficaz contra o coronavírus. "Não como tratamento", respondeu Dr. Birx. 

As declarações do presidente tiveram repercussão rápida e não foram bem vistas pela comunidade científica. "Essa ideia de injetar ou ingerir qualquer tipo de produto de limpeza é irresponsável e perigosa”, afirmou Vin Gupta, pneumologista e especialista em políticas de saúde pública em entrevista à NBC News.

Para Entender

'Aliança do Avestruz' - Quem são os autocratas que negam a pandemia?

Líderes de Nicarágua, Turcomenistão e Bielo-Rússia sofrem crítica interna incomum por ditar ordens contra isolamento

O consultor de ciência e tecnologia do Departamento de Segurança Interna, William Bryan, afirmou que pesquisas mostraram impacto potente dos raios ultravioletas no combate ao vírus. "Nossa observação mais impressionante até o momento é o poderoso efeito que a luz solar parece ter sobre a morte do vírus, tanto na superfície quanto no ar", disse ele durante o evento na Casa Branca. "Vimos um efeito semelhante tanto com a temperatura quanto com a umidade. O aumento de uma ou de outra é geralmente menos favorável ao vírus.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.