AFP PHOTO / SAUL LOEB
AFP PHOTO / SAUL LOEB

Trump suspende plano de mudar embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém

Decisão ocorre pouco antes de o presidente americano visitar Israel

O Estado de S.Paulo

17 Maio 2017 | 21h35

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, suspendeu o plano de mudar a embaixada dos Estados Unidos em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, uma promessa que fez meses atrás, mas poderia prejudicar qualquer aproximação com os palestinos, informou a Casa Branca nesta quarta-feira à agência EFE.

"Não vai haver uma decisão iminente sobre a transferência da embaixada. O presidente deixou claro que quer mudá-la, mas só no contexto de que haja mais avanços para uma solução à disputa entre Israel e Palestina", disse à EFE uma fonte do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, que pediu anonimato.

A mudança da embaixada para Jerusalém é uma medida já cogitada por outros presidentes dos EUA, como Bill Clinton e George W. Bush, mas ambos abandonaram a proposta ao terem de lidar com a complicada realidade política do conflito.

Nenhum país mantém embaixada em Jerusalém. Os palestinos interpretariam a mudança como a aceitação da ocupação de Israel em Jerusalém Oriental, uma anexação que não é reconhecida pela comunidade internacional. Os palestinos reivindicam a região como capital de seu futuro Estado.

Durante a campanha, Trump prometeu que mudaria a embaixada para Jerusalém, chamando a cidade de "eterna capital de Israel", uma proposta apoiada por muitos republicanos.

O plano inicial de Trump era ordenar a transferência da embaixada no seu primeiro dia no poder, mas mudou de ideia, revelou em fevereiro o senador republicano Bob Corker, que foi um dos cotados para assumir o cargo de secretário de Estado.

No entanto, pouco depois de chegar ao poder, o presidente afirmou que a transferência da missão diplomática não seria uma "decisão fácil".

A promessa tinha dado esperanças ao primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, que disse no domingo (13) que a mudança da embaixada americana não prejudicaria o processo de paz.

"Mudar a embaixada faria o processo de paz avançar, ao corrigir uma injustiça histórica e destruindo a fantasia palestina de que Jerusalém não é a capital de Israel", disse Netanyahu em nota.

A decisão suspender o plano ocorre pouco antes de o presidente visitar Israel. Trump chega ao país na próxima segunda-feira, com uma agenda que inclui reuniões com Netanyahu e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.