Jonathan Ernst/REUTERS - 22/10/2020
Jonathan Ernst/REUTERS - 22/10/2020

Trump tenta engessar política externa de Joe Biden antes de deixar Casa Branca

Com diversas medidas adotadas desde julho, governo do republicano tenta impedir mudanças feita pelo democrata

Matthew Lee, Associated Press

23 de novembro de 2020 | 16h00

Antes de sair da Casa Branca, o governo Trump está promulgando novas regras, regulamentos e ordens para tentar engessar o presidente eleito Joe Biden em vários assuntos de política externa e cimentar o legado "America First" (EUA em primeiro lugar) do presidente Donald Trump nos assuntos internacionais.

Ainda assim, o empurrão pode não funcionar, já que muitas dessas decisões podem ser retiradas ou significativamente alteradas pelo presidente eleito quando ele assumir o cargo em 20 de janeiro.

Nas últimas semanas, a Casa Branca, o Departamento de Estado e outras agências trabalharam para produzir novas regulamentações de políticas sobre o Irã, Israel, China e outros lugares que visam fixar a visão de Trump para o mundo. Alguns atraíram atenção significativa, enquanto outros passaram despercebidos. 

E, embora Biden possa reverter muitos deles com um canetada, alguns exigirão o tempo e a atenção que seu governo talvez não tenha tão logo assuma.

O mais recente desses movimentos ocorreu na semana passada, quando Mike Pompeo fez sua provável última visita a Israel como secretário de Estado e fez dois anúncios em apoio a Israel sobre o território reivindicado pelos palestinos.

A equipe de Biden permaneceu em silêncio sobre esses anúncios, mas o presidente eleito deixou claro que apoia poucos, ou nenhum, deles e vai reverter muitos, pois pretende retornar a uma política mais tradicional em relação a Israel e os palestinos.

Os esforços do governo Trump para impedir reversões potenciais da sua política externa começaram meses antes, com a China. À medida que as pesquisas de opinião começaram a mostrar Biden como um claro favorito para vencer Trump em novembro, o governo começou a se mover.

Alguns funcionários apontam para uma declaração de 13 de julho de Pompeo de que os Estados Unidos rejeitariam praticamente todas as reivindicações territoriais da China sobre o Mar do Leste / mar do Japão, uma mudança de 180 graus em relação às posições das administrações anteriores de que todas essas reivindicações deveriam ser tratadas por arbitragem internacional.

Embora muitas das decisões de política externa de Trump desde o início tenham sido projetadas para demolir as conquistas diplomáticas de governos anteriores - a retirada do acordo nuclear com o Irã, o Acordo do Clima de Paris e a Parceria Trans-Pacífico sobre o comércio - a decisão sobre o Mar do Leste / Mar do Japão foi a primeira a ser vinculada por funcionários do governo à possibilidade de Biden ser o próximo presidente.

Um funcionário do governo disse na época que as decisões tomadas depois disso seriam todas tomadas para evitar que fossem desfeitas caso Biden se tornasse presidente. 

A seguir, alguns dos principais movimentos:

Israel

Na quinta-feira, antes de fazer uma viagem inédita para um secretário de Estado a um assentamento israelense na Cisjordânia, Pompeo anunciou que os EUA considerariam "anti-semitas" os grupos que defendem os direitos palestinos apoiando o movimento de boicote, desinvestimento e sanções contra Israel.

Ele também anunciou uma mudança nas regras de rotulagem de importação que exigirá que os produtos feitos em assentamentos sejam identificados como “Fabricado em Israel.” A rotulagem do produto levará algum tempo para fazer efeito e, até o momento, nenhum grupo foi atingido com a designação de anti-semita. Mas, mesmo se eles forem implementados, Biden poderia revertê-los no primeiro dia de seu governo.

Essas medidas se enquadraram em várias outras favoráveis ​​a Israel que o governo tomou desde que assumiu o cargo. Eles incluem o reconhecimento de Jerusalém como a capital, a transferência da Embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém e o corte da ajuda à Autoridade Palestina e à agência de refugiados da ONU que trabalha com os palestinos. Embora seja improvável que Biden mova a embaixada de volta a Tel Aviv, as outras medidas podem ser revertidas rapidamente.

Irã

Pompeo e outras autoridades falaram de um novo impulso para sanções contra o Irã, mas o governo vem aumentando essas penalidades desde que Trump se retirou do acordo nuclear com o país, em 2017. 

Novas sanções podem ter como alvo os apoiadores da milícia apoiada pelo Irã no Iraque e no Afeganistão, juntamente com o movimento xiita Houthi no Iêmen, que está envolvido em uma guerra com o governo internacionalmente reconhecido do país.

Biden falou que pretende retomar o acordo nuclear, e as autoridades iranianas disseram que estariam dispostas a voltar a cumprir o acordo se ele o fizesse. Biden poderia eliminar muitas das sanções reimpostas do governo Trump por ordem executiva, mas ainda não está claro qual a prioridade desse movimento.

Oriente Médio

Embora a retirada de um número significativo de forças americanas do Afeganistão e do Iraque - reduzindo os níveis de tropas para 2.500 em cada país - seja uma indicação clara das intenções de Trump, a abordagem de Biden permanece menos certa. As retiradas podem ser adiadas ou retardadas pelo Pentágono, e ainda não está claro como o Departamento de Estado lidará com o pessoal em suas embaixadas em Bagdá e Cabul, ambas dependentes do apoio militar dos EUA.

Pompeo ameaçou fechar a Embaixada dos EUA em Bagdá, a menos que os ataques com foguetes de milícias apoiadas pelo Irã contra a área em que está localizada sejam interrompidos. No entanto, apesar da determinação de retirada das tropas na semana passada, não houve anúncio sobre o status da embaixada.

China

Embora as ações mais estridentes do governo contra a China tenham começado há mais de um ano, elas ganharam impulso desde março, quando Trump determinou que culparia imediatamente a China pela disseminação do novo coronavírus e acusaria Biden de ser brando com Pequim.

Desde então, o governo tem aumentado constantemente as sanções contra a China em relação a Taiwan, Tibete, comércio, Hong Kong e Mar do Leste / Mar do Japão. Ela também agiu contra a gigante chinesa das telecomunicações Huawei e buscou restrições aos aplicativos de mídia social chinesa, como TikTok e WeChat.

Na semana passada, o escritório de planejamento de políticas do Departamento de Estado divulgou um documento de estratégia política da China de 70 páginas. Embora contenha poucas recomendações de políticas imediatas, defende um maior apoio e cooperação com Taiwan. De fato, quando o documento foi divulgado, as autoridades americanas se reuniram com seus homólogos taiwaneses em Washington para discutir a cooperação econômica.

Rússia

O domingo marcou a retirada formal dos EUA do "Tratado de Céus Abertos" com a Rússia, que permitiu a cada país o direito de sobrevoo para inspecionar instalações militares. A retirada, seis meses após os EUA notificarem os russos de sua intenção, deixa apenas um pacto de controle de armas ainda em vigor entre os ex-inimigos da Guerra Fria - o novo tratado START, que limita o número de ogivas nucleares que cada um pode ter. Esse tratado expira em fevereiro.

O governo Trump disse que não estava interessado em estender o novo tratado START a menos que a China também aderisse, algo que Pequim rejeitou. Nas últimas semanas, no entanto, o governo flexibilizou sua posição e disse que está disposto a considerar uma extensão. À medida que a transição para a administração Biden se aproxima, essas negociações permanecem um trabalho em andamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.