Spencer Platt/AFP
Spencer Platt/AFP

Trump vence em 5 Estados e fica perto de ser candidato republicano

Magnata venceu com facilidade em Delaware, Pensilvânia, Rhode Island, Connecticut e Maryland

Claudia Trevisan, CORRESPONDENTE / WASHINGTON

27 Abril 2016 | 00h21

Os cinco Estados americanos que foram às urnas nesta terça-feira, 26, deram vitórias fáceis a Donald Trump e reforçaram a liderança de Hillary Clinton na disputa com o senador Bernie Sanders entre os democratas. Primeiro colocado na corrida republicana, o bilionário ganhou todas as primárias, enquanto a ex-senadora por Nova York venceu em quatro dos cinco Estados.

“Acabou”, disse Trump em discurso na noite de terça-feira em Nova York, no qual se apresentou como o candidato republicano para as eleições gerais de novembro. A vitória do bilionário na Pensilvânia, Maryland, Delaware, Connecticut e Rhode Island ampliou sua possibilidade de os 1.237 delegados necessários para garantir a nomeação de seu partido.

O bilionário venceu os cinco Estados com margens superiores a 50% dos votos. O senador Ted Cruz, seu maior rival, terminou em terceiro lugar em todas as votações, com exceção da Pensilvânia, onde terminou à frente do governador de Ohio, John Kasich. A última esperança dos adversário de Trump são as prévias de Indiana, marcadas para a semana que vem. Se o bilionário vencer, será praticamente impossível evitar que ele conquiste a nomeação do Partido Republicano.

Em discurso na Pensilvânia, Hillary disse que unificará o Partido Democrata para as eleições gerais e enfatizou as semelhanças entre suas posições e as de Sanders, que venceu a disputa em Rhode Island. 

O apoio dos seguidores do senador esquerdista será fundamental para as chances da ex-secretária de Estado na disputa pela presidência, caso ela seja a candidata da legenda. “Há mais coisas que nos unem do que nos separam”, declarou Hillary.

Antes do anúncio dos resultados, Sanders havia reconhecido que é baixa a possibilidade de ele derrotar Clinton e conseguir a candidatura à presidência, mas insistiu que ficará até o fim da disputa. “Estou nessa corrida até o último voto”, disse em entrevista à CNN. 

Para reverter a vantagem de Hillary, Sanders precisará vencer com uma margem superior a 60% nas próximas primárias, o que é improvável. Ainda assim, ele promete ficar até a última prévia, na Califórnia, e participar da convenção, em julho.

“O povo da Califórnia tem o direito de determinar quem eles querem ver como presidente dos EUA e o tipo de agenda que o Partido Democrata deve ter”, ressaltou. A frase revela uma das principais motivações de Sanders para permanecer na disputa: empurrar para a esquerda o programa da legenda e levar Hillary a assumir algumas de suas propostas.

Para obter o voto de seus seguidores, Hillary terá de abraçar o espírito de suas propostas, disse Sanders, no domingo. “Ela terá de ser muito explícita no apoio a programas que atendam às necessidades da classe média e das famílias trabalhadoras.” 

Mais conteúdo sobre:
Eleições EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.