Jim Wilson/The New York Times
Jim Wilson/The New York Times

Trump vetou dados sobre covid à equipe de Biden

Membros do grupo de transição não tiveram acesso a informações sobre diversas questões, como a vacinação para conter a doença

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2021 | 04h30

WASHINGTON - O governo Donald Trump se recusou a fornecer acesso a informações e não consultou a equipe do presidente eleito, Joe Biden, sobre diversos assuntos, incluindo a distribuição das vacinas, apesar dos casos de covid-19 continuarem a sobrecarregar os hospitais e o vírus estar matando mais de 3.300 pessoas por dia em média. EUA são o país mais atingido pela pandemia, com 389.581 mortes em 23,4 milhões de casos. 

A última vez que uma transição presidencial começou durante uma emergência nacional – em 2008 em meio à recessão – o governo George W. Bush deixou de lado o partidarismo para trabalhar em estreita colaboração com a equipe de Barack Obama sobre como lidar com o colapso econômico.

Essa transferência suave contrasta fortemente com o que está acontecendo agora, enquanto Biden se prepara para assumir o poder durante uma crise envolvendo um vírus letal e suas consequências econômicas que, segundo especialistas, exigem estreita cooperação. 

Por mais de um mês, a equipe de Biden pressionou para participar de reuniões que ofereciam “informações em tempo real sobre a produção e distribuição de vacinas” – detalhes importantes para os assessores do presidente eleito que debatem maneiras de controlar a pandemia, disse um funcionário de transição.

Embora os funcionários de carreira das agências de saúde tenham sido úteis, apenas esta semana os funcionários de Biden foram autorizados a participar das reuniões da Operação Warp Speed, a iniciativa do governo para acelerar o desenvolvimento e distribuição de vacinas. Eles também não foram convidados para as duas sessões da Warp Speed do fim de semana, quando os funcionários do governo Trump decidiram fazer mudanças radicais para tentar acelerar a lenta distribuição da vacina. Nem foram informados sobre essas mudanças com antecedência.

Enquanto algumas dessas políticas refletiam os planos de Biden, outras levantaram bandeiras vermelhas entre os assessores do presidente eleito. Uma delas é a recomendação de oferecer vacinas imediatamente a dezenas de milhões de pessoas com menos de 65 anos que têm condições médicas de alto risco – uma mudança que a equipe de Biden teme que possa sobrecarregar o fornecimento dos Estados e sistemas de inscrição já sob estresse, ao mesmo tempo que cria expectativas irrealistas para aqueles que desejam ser vacinados.

O funcionário de transição de Biden também disse que a equipe do presidente eleito levou várias semanas para obter acesso ao Tiberius, um sistema de dados que teria ajudado as autoridades a entender anteriormente “para onde a vacina está indo, quais Estados estão solicitando, quando ela está se movendo”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.