BNONews
BNONews

Tsunami atinge arquipélago de Tonga após erupção de vulcão submarino

Imagens de satélite mostraram uma enorme erupção, uma nuvem de cinzas, vapor e gás subindo como um cogumelo acima das águas azuis do Pacífico

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2022 | 05h51
Atualizado 15 de janeiro de 2022 | 17h13

WELLINGTON - Um vulcão submarino entrou em erupção de forma espetacular em Tongatapu, maior ilha do arquipélago de Tonga, no sul do Oceano Pacífico, neste sábado, 15, provocando tsunamis com ondas de até 1,2 metro que atingiram a costa. Ainda não há informações sobre feridos ou a extensão dos danos.

Horas depois da forte erupção, a agência meteorológica do Japão informou, já no domingo (hora local), que um tsunami com risco de ondas de até 3 metros havia alcançado a costa do país. Ondas de 1,2 metro tocaram a ilha de Amami e um tsunami de menor amplitude foi verificado em outras partes do litoral japonês. 

Os habitantes do arquipélago de Tonga fugiram para os locais mais altos frente ao tsunami causado por uma segunda erupção - ouvida a centenas de quilômetros - do vulcão Hunga Tonga Hunga Ha'apai. O primeiro tsunami não passou de 30 cm, e o alerta tinha acabado de ser levantado quando o vulcão entrou em erupção novamente. 

O vulcão submarino está a cerca de 65 quilômetros de Tongatapu, principal ilha desta nação insular de 105 mil habitantes. Imagens de satélite mostraram uma enorme erupção, uma nuvem de cinzas, vapor e gás subindo como um cogumelo acima das águas azuis do Pacífico. O rei dos tongas, Tupou VI, foi retirado do palácio real, na capital Nuku'alofa, e escoltado para local longe da costa.

Nos Estados Unidos, foram emitidos alertas de tsunami para a Costa Oeste e Alasca. Nos Estados do Havaí e da Califórnia foram registradas pequenas inundações.  "Saia das praias, portos e marinas ao longo da costa da Califórnia até a ponta das Ilhas Aleutas do Alasca", pediu o Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA, que previu ondas de até 60 centímetros, fortes correntes e inundações costeiras. O Canadá estava em alerta com a situação na Colúmbia Britânica. 

Além do Japão, várias nações do Pacífico emitiram alertas de tsunami, como Nova Zelândia, Vanuatu, Ilhas Fiji Austrália.

O Chile também lançou um alerta para sua faixa costeira. O Escritório Nacional de Emergências (Onemi) alertou hoje sobre a possibilidade de um tsunami atingir a Ilha de Páscoa, a 3.300 km a oeste da costa chilena, no meio do Oceano Pacífico, após o incidente de Tonga. Emitiu alertas também para o arquipélago Juan Fernández, ilha San Félix  - muito mais próximos da América do Sul, a cerca de 600 quilômetros de distância - e Antártida.  

O Centro Nacional de Alerta de Tsunami do Equador informou neste sábado que está avaliando a situação marinha em seu país. "A ameaça às costas do Equador está sob avaliação", disse o Centro Nacional de Alerta de Tsunamis do Instituto Oceanográfico e Antártico da Marinha do Equador (Inocar), em uma mensagem no Twitter.

Em Tonga, as grandes ondas atingiram casas e prédios localizados à beira-mar e inundaram a área, segundo vídeos postados nas redes sociais por testemunhas que se refugiaram no telhado de suas casas.

"Foi uma grande explosão", relatou Mere Taufa, que estava em casa preparando o jantar, ao site de notícias Stuff. "O chão tremeu, a casa inteira foi sacudida. Vinha em ondas. Meu irmão caçula achou que tinham bombas explodindo perto de casa", descreveu. 

Poucos minutos depois, acrescentou, a água invadiu sua casa, e o muro de uma casa vizinha desabou.  "Soubemos, em seguida, que era um tsunami, com a água brotando na casa. A gente ouvia gritos por todos os lados, e todo o mundo começou a fugir para as partes mais altas", completou. 

Em outro tuíte, o repórter do canal Fiji One, Jese Tuisinu,  postou um vídeo mostrando grandes ondas chegando à praia, com pessoas tentando fugir em seus carros. "Está literalmente escuro em partes de Tonga e as pessoas estão correndo para a segurança após a erupção", escreveu Tuisinu.


Segundo testemunhas, o vulcão entrou em erupção às 17h20, horário local (1h20 de Brasília) e liberou uma enorme nuvem de cinzas no ar. As ondas também atingiram parte da ilha de Vanua Levu, no nordeste de Fiji.

Também se advertiu aos moradores para cobrirem os reservatórios de água para protegê-los da chuva ou das cinzas ácidas. 

 

O Serviço Meteorológico de Tonga publicou em seu perfil do Facebook uma imagem de satélite da nuvem causada pelo vulcão submarino, que já mostrava sinais de aumento de atividade no dia anterior e que também desencadeou momentaneamente o alerta de tsunami.

Os militares da Nova Zelândia disseram que estavam monitorando a situação e permaneceram de prontidão, prontos para ajudar se solicitados.

Moradores da Samoa Americana foram alertados sobre o alerta de tsunami por emissoras locais, bem como pelos sinos das igrejas que tocaram em todo o território. Aqueles que viviam ao longo da costa rapidamente se dirigiram para terrenos mais altos./AP, AFP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Tonga [Oceania]vulcãotsunami

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.