Tuaregues assinam acordo de paz histórico com o governo do Mali

Os tuaregues, que formam a principal coalização de rebeldes separatistas do Mali, assinaram um acordo de paz histórico com o governo neste sábado, mais de um mês depois de outros grupos armados declararem trégua.

AE, Estadão Conteúdo

20 de junho de 2015 | 17h49

Um repórter da Associated Press presenciou a assinatura do pacto. Os tuaregues haviam recusado a participação nas negociações, intermediadas pela Argélia, por uma trégua, que se encerraram em maio. Outros grupos rebeldes aderiram ao acordo de paz à época.

A assinatura da trégua foi celebrada pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que afirmou que a entidade está pronta para apoiar a implementação efetiva do acordo.

"A responsabilidade final pela paz está com o Mali e os malineses, e o secretário-geral pede que todas as partes continuem a trabalhar de boa fé para promover o progresso e aplicar plenamente as disposições do cessar-fogo", diz a declaração do gabinete de Ban Ki-moon.

A rebelião tuaregue no norte do Mali tem sido uma fonte de conflitos com o governo há décadas.

Em 2012, os tuaregues conseguiram derrubar o governo com a ajuda de militares, mas o golpe deixou o país com um vácuo de poder que acabou por levar a uma insurgência islâmica e uma guerra contra os jihadistas, liderada pela França.

Apesar de comemorarem o acordo, ativistas disseram que é preciso agora resolver os diretos das vítimas de violência e de suas famílias.

A diretora-adjunta para a África Ocidental da Human Rights Watch, Corinne Dufka, disse que é particularmente preocupante a situação do país, dada a deterioração da segurança.

"Falta ao acordo disposições que combatam a impunidade desenfreada, um problema de décadas que parece ter perpetuado um ciclo de abusos e conflitos no Mali", afirmou. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Malituareguespaz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.