Tufão Megi toca a terra nas Filipinas

Região norte do país está alerta por inundações; autoridades alertam que trajetória do fenômeno pode danificar cultivos, moradias e redes elétricas

AP

18 de outubro de 2010 | 04h20

MANILA, FILIPINAS - O super tufão Megi voltou na segunda-feira, 18, mais forte em todos os anos no norte das Filipinas, com grandes ondas, chuvas fortes e ventos ferozes que derrubaram postes de eletricidade e provocaram um afogamento de um homem.

Milhares de pessoas buscaram refúgio e as autoridades advertiram aos milhões de moradores e aos produtores de arroz da região de que a trajetória do tufão poderá danificar seus cultivos, moradias e redes elétricas.

Um homem que resgatava seu búfalo, escorregou, caiu em um rio e provavelmente se afogou, disse Bonifacio Cuarteros, funcionário da oficina de manejo de desastres da província de Cagayán.

Megi tem ventos de 225 km por hora e rajadas de 260 km quando tocou a terra nesta segunda-feira ao meio dia na Baía de Palanan, na província de Isabela. Estava perdendo seu poder ao chocar com as montanhas de Luzón, a principal ilha no norte do arquipélago.

Com seu vento feroz e precipitações de 50 milímetros por hora, Megi foi o tufão mais poderoso que golpeou as Filipinas em quatro anos, disseram os meteorologistas do governo.

As zonas devastadas pelas inundações na China e Vietnã também se preparavam para receber mais chuvas do tufão de grande alcance.

Era esperado que Megi fosse para as próximas horas para o sul da China, país que havia ordenado a evacuação de mais de 100 mil pessoas de suas aldeias, devido as inundações anteriores, segundo a Administração Meteorológica da China.

Na costa central do Vietnã, onde 21 pessoas morreram por causa das inundações, também se esperava por outra investida do tufão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.