Tufão Melor causa estragos e deixa dois mortos no Japão

Ventos de até 198 km/h destruíram casas e arrancaram árvores; voos e serviços ferroviários foram suspensos

Agência Estado,

08 de outubro de 2009 | 06h19

Um forte tufão atingiu o Japão nesta quinta-feira, 8, deixando pelo menos duas pessoas mortas. A violência dos ventos destruiu casas, arrancou árvores e provocou o medo de deslizamentos de terra. Com rajadas de até 198 km/h, o tufão Melor atravessou a região central e densamente habitada do Japão e foi a primeira tempestade tropical a causar desabamentos no país desde 2007, segundo o serviço de meteorologia.

   

 

O Melor trouxe chuvas pesadas e fortes ventos que destelharam casas, destruíram muros e derrubaram árvores, bloqueando estradas e ferrovias. O tufão se enfraqueceu levemente enquanto castigava Honshu, principal ilha do arquipélago japonês. A agência meteorológica alertou que extensas áreas do Japão, incluindo Tóquio e o centro industrial de Osaka, apresentavam elevado risco de deslizamentos de terra durante a passagem do tufão, segundo informações da agência Dow Jones.  

 

Imagens de TV mostraram caminhões tombados e carros abandonados no meio de estradas alagadas. Um distribuidor de jornais de 54 anos morreu em Wakayama, no oeste do país, depois que sua motocicleta se chocou contra uma árvore caída, segundo a polícia local. Em Saitama, cidade ao norte de Tóquio, um homem de 69 anos morreu após ser atingido pelo tronco de uma árvore. Pelo menos 27 pessoas ficaram feridas e milhares tiveram de procurar abrigo, informou o governo.

 

 

As companhias aéreas cancelaram cerca de 330 voos, basicamente em rotas domésticas, e os serviços ferroviários foram suspensos, inclusive em Tóquio. A Toyota disse que suspenderia a produção por um dia em todas as suas 12 fábricas no país. Mais de 40 mil domicílios ficaram sem eletricidade em Wie, no oeste do Japão, e em Gifu, centro do país. Um blecaute afetou também 3.500 domicílios em Tóquio e 6.820 na vizinha Kanagawa.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãotufão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.