Tufão Miranae deixa sete mortos em passagem pelas Filipinas

Autoridades retiraram cerca de 115 mil pessoas do litoral; tormenta é a quarta a passar pelo país em um mês

Efe,

31 de outubro de 2009 | 12h09

Habitantes da ilha de Luzon recolhem destroços de casas. Foto: Efe

 

MANILA - Pelo menos sete pessoas morreram após a passagem do tufão Miranae pelo sul da ilha filipina de Luzon, região na qual causou um forte chuva acompanhada de rajadas de vento. O superintendente da Polícia, Perfecto Palad, informou neste sábado, 31, que seis pessoas, entre elas uma menina de 12 anos, morreram afogadas em Pagsanjan, na província de Laguna, cerca de 90 quilômetros ao sul de Manila.

 

Na província de Rizal, vizinha à capital, um homem morreu ao ser arrastado pela corrente quando tentava atravessar um rio levando nos braços o filho de 1 ano, que foi dado por desaparecido.

 

Outro incidente semelhante ocorreu ao sul de Luzon, na província de Batangas, onde pai e filho desapareceram após o carro onde estavam cair no rio, por causa da ruptura parcial da ponte por onde passavam, enquanto havia fortes rajadas de vento, afirmou a chefia provincial de Polícia.

 

"O pior já passou", disse Nathaniel Cruz, porta-voz do serviço nacional de meteorologia, depois que o temido tufão cruzou a ilha de Luzon em direção ao Mar da China meridional.

 

Após uma noite de chuva e intermitentes rajadas de vento, a capital filipina amanheceu com galhos de árvores e sem energia elétrica em algumas áreas da cidade. "Esperamos uma melhora do tempo nas próximas horas, já que o tufão está se afastando do país", disse Cruz.

 

Diante da chegada do tufão Miranae, o quarto em um mês, as autoridades filipinas ordenaram na sexta-feira o fechamento de colégios, cancelaram o serviço de transporte marítimo e retiraram cerca de 115 mil pessoas de localidades litorâneas do leste da ilha de Luzon.

Tudo o que sabemos sobre:
tufãoMiranaeFilipinasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.