Tufão na China provoca a retirada de 1,5 milhão de pessoas

O tufão Saomai entrou no sudeste da China nesta quinta-feira, matando pelo menos duas pessoas, destroçando casas e virando embarcações, além de provocar a retirada de 1,5 milhão de pessoas.A previsão é que os danos materiais do fenômeno, o pior na China em cinco décadas, chegue inclusive a zonas que ainda se recuperam da tormenta tropical Bilis, que matou mais de 600 pessoas no mês passado. Com ventos de até 216 quilômetros por hora, Saomai sacudiu a cidade costeira de Mazhan, na província de Zhejiang, segundo a agência de notícias Xinhua. A região está a 1.500 quilômetros ao sul da capital chinesa, Pequim.Duas vítimas são das Filipinas e as chuvas chegaram a Taiwan e Hong Kong. As companhias aéreas foram forçadas a cancelar alguns vôos. O fenômeno deixou marinheiros taiwaneses desaparecidos depois do naufrágio de dois barcos num porto de Fugian, enquanto quatro chineses seguiam sem aparecer depois que a embarcação bateu num banco de areia, disse a agência.Antes que o tufão chegasse ao território chinês, as autoridades retiraram 990 mil pessoas das zonas que poderiam ser atingidas e 560 mil da localidade de Fujian. Cerca de 80 pessoas ficaram feridas e mil casas destruídas em Mazhan e arredores.O instituto de meteorologia da província disse que se trata da tormenta mais poderosa que já atingiu a China desde 1949. Nomeado como "super tufão" pelos mateorologistas chineses, Saomai é a oitava tormenta em um ano carregado de tufões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.