Tyler Hicks/The New York Times
Tyler Hicks/The New York Times

Tufão põe 4 milhões sob risco na Ásia

Com ventos de até 320 km/h, Manghkut vai passar por Filipinas, Taiwan e parte da China continental, área onde vivem 43 milhões de pessoas

O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2018 | 21h36

LUZON, FILIPINAS - O tufão Mangkhut atingiu nesta sexta-feira, 14, as Filipinas com rajadas de vento de até 320 quilômetros por hora. A tempestade de categoria 5 tocou o solo do país no norte das ilhas Luzon, trazendo fortes chuvas. Segundo autoridades locais, 4 milhões de pessoas estão em risco. O tufão deve atingir outros países até amanhã. 

A tempestade é maior e mais forte do que o furacão Florence, que atinge a Costa Leste dos EUA. Meteorologistas afirmam que ele pode ser tão devastador quanto o supertufão Haiyan, que deixou 6 mil mortos e afetou 14 milhões de pessoas em 2013. Segundo o Conselho Nacional de Redução e Gestão de Risco em Desastres das Filipinas, por volta de 5,2 milhões de pessoas vivem em um raio de mais de 125 quilômetros que deve ser atingido pelo Mangkhut.

Chamado de supertufão em razão do tamanho e da força dos ventos, o Manghkut vem ganhando velocidade no Pacífico em uma rota que tem Taiwan e o sudeste da China, todas densamente povoadas. Até 43 milhões de pessoas poderiam estar expostas aos ventos fortes, de acordo com o Sistema Global de Alerta e Coordenação de Desastres.

Segundo a Agência Meteorológica das Filipinas, essas áreas podem esperar que os ventos destruam edifícios e árvores, além de provocar quedas de energia. Muitas partes do arquipélago também correm risco de inundações. 

Os meteorologistas estimam que o tufão tem mais de 900 quilômetros de diâmetro e pode cobrir toda a parte norte e central da ilha principal de Luzon. Combinado com as chuvas de monções sazonais, suas consequências podem ser ainda mais graves. Mais de 9 mil pessoas já foram transferidas para abrigos temporários.

Meteorologistas advertiram para o risco de ondas de até 6 metros atingirem vilarejos no caminho do tufão. “Meu pedido é que precisamos prestar atenção nas recomendações das autoridades. Fiquem dentro de casa”, disse o assessor presidencial Francis Tolentino, principal coordenador do governo para desastres.

Furacão e tufão são denominações diferentes para o mesmo fenômeno, um ciclone formado em oceanos, com diâmetros de até 2 mil quilômetros, e ventos acima de 118 km/h. A diferença é que furacão é o termo usado para o fenômeno no Oceano Atlântico e no leste do Pacífico, enquanto tufão se refere aos do oeste do Pacífico. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.