Tufão Talas causa 26 mortos e 54 desaparecidos no sul do Japão

Forças de segurança temem que o número de vítimas possa aumentar nas seis províncias mais afetadas pelo fenômeno

Efe,

05 Setembro 2011 | 03h10

TÓQUIO - Pelo menos 26 pessoas morreram e 54 estão desaparecidas após a passagem do tufão Talas pelo sul do Japão, onde além disso outras 3.600 permanecem isoladas, informou nesta segunda-feira, 5, a agência local Kyodo.

As forças de segurança temem que o número de vítimas possa aumentar nas seis províncias mais afetadas pelo Talas perante o perigo de novas avalanches e as fortes chuvas que trouxeram grande quantidade de estradas e impedem os trabalhos de resgate por terra e ar.

 

Veja também:
link
EUA: terremoto de 7,1 gera alerta de tsunami no Alasca 
linkDesativação de usina nuclear dos EUA após terremoto gera receios 
linkTerremoto sacode Japão; alerta de tsunami é emitido e cancelado 
linkJapão reativa primeiro reator nuclear após 'Fukushima' 

 

Na província de Wakayama, cerca de 3.600 pessoas de quatro municípios estão isoladas devido aos deslizamentos de terra e à queda de várias pontes por causa do tufão, que poderia ser o mais devastador para o país nos últimos 20 anos, segundo Kyodo.

O novo primeiro-ministro, Yoshihiko Noda, insistiu que será feito todo o possível para resgatar as pessoas e procurar os desaparecidos, depois que seu governo se viu obrigado a estabelecer um gabinete de crise perante os estragos que Talas está provocando.

Após atravessar a ilha de Shikoku e o sul da de Honshu, o tufão avança agora pelo Mar do Japão em direção nordeste, enquanto deixa fortes rajadas de vento e abundantes precipitações em boa parte do arquipélago, onde 38 de 43 províncias se mantêm em alerta.

Segundo a Agência Meteorológica do Japão, nesta manhã o Talas registrava sequências máxima de vento de mais de 100 km/h e se deslocava a 15 km/h, uma velocidade baixa que aumentou os danos no sul do país.

 

 

 

Mais conteúdo sobre:
tufãojapãotóquiotalas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.