Jay Dunn/AP
Jay Dunn/AP

Túmulo de Junípero Serra, recém canonizado pelo papa, é vandalizado

Segundo a polícia, o fato está sendo investigado como um 'crime de ódio', categoria na qual se circunscrevem os delitos de caráter racista e de discriminação religiosa

O Estado de S. Paulo

28 Setembro 2015 | 08h57

WASHINGTON - O túmulo de Junípero Serra na Missão de Carmel (Califórnia) foi alvo do vandalismo apenas alguns dias depois que o papa Francisco lo proclamado santo durante sua visita aos Estados Unidos. 

Os túmulos do cemitério no qual está enterrado o santo, assim como o exterior da própria basílica da missão de Carmel, amanheceram no domingo manchadas de pintura e com estátuas derrubadas.Em uma das lápides apareceu pintada a frase: "Santo do genocídio".

Junípero Serra, o primeiro santo hispânico dos Estados Unidos, foi canonizado pelo papa na quarta-feira passada em cerimônia em Washington, na qual Francisco afirmou que o franciscano espanhol defendeu a dignidade dos indígenas que evangelizou.

A canonização de Serra foi criticada por alguns setores, que já desde a beatificação do missionário franciscano, em 1988, o tinham acusado que nas missões que fundou, onde transformou milhares de índios, houve abuso e maus-tratos aos indígenas.

O sargento Luke Powell, da Polícia de Carmel, informou que o fato está sendo investigado como um "crime de ódio", categoria na qual se circunscrevem os delitos de caráter racista e de discriminação religiosa.

A Polícia revisa agora os vídeos gravados pelas câmaras de segurança do local para tentar identificar os autores do ataque, que foi descoberto no começo do domingo. EFE

Mais conteúdo sobre:
Papa FranciscoJunípero Serra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.