Khalid Mohammed/AP
Khalid Mohammed/AP

Túmulo de Saddam Hussein é destruído nos combates em Tikrit

Fontes de segurança confirmaram a informação, mas não deram detalhes; Exército continua tentando retomar região controlada pelo Estado Islâmico

O Estado de S. Paulo

16 Março 2015 | 10h10

IRBIL, IRAQUE - Os confrontos entre o Exército do Iraque e combatentes do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) em Tikrit, capital da Província de Saladino, no norte do Iraque, destruíram o mausoléu do falecido ditador Saddam Hussein.

O túmulo onde estava sepultado o ex-governante, na aldeia Al Ouya, ao sul de Tikrit, foi totalmente arrasado durante os combates na região. As forças de segurança lançaram uma operação para libertar a província do controle do EI.

Uma fonte de segurança ouvida pela agência EFE não informou quando nem como o túmulo foi destruído. No entanto, os restos mortais de Saddam já tinham sido transferidos para outro lugar por sua família em junho, um mês antes de os jihadistas assumirem o controle da cidade.

Saddam, que ficou no poder no Iraque durante 24 anos, foi detido em dezembro de 2003 após a invasão que precedeu a queda de seu regime, e executado em 30 de dezembro de 2006, em Bagdá.

Nascido em 28 de abril de 1937 em Al Ouya, em Tikrit, Saddam gostava de lembrar que sua terra natal foi berço do lendário Saladino, o caudilho curdo que, em 1187, conquistou Jerusalém dos cruzados.

O exército iraquiano mantém cercada a capital de Saladino há uma semana, quando lançou uma operação para tentar tomá-la do Estado Islâmico com o apoio de artilharia e da aviação.

As tropas iraquianas, com a ajuda de milícias xiitas e tribais, iniciaram há três semanas uma ampla operação militar para libertar as principais zonas do norte de Saladino, incluindo sua capital.

Até o momento, conseguiram assumir o controle da cidade de Samarra, a segunda maior da província, assim como das localidades de Al-Dur, Alalam e Degla e de várias aldeias. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico Iraque Saddam Hussein

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.