AFP
AFP

Tumulto durante ação de caridade mata 23 pessoas em Bangladesh

Cerca de mil pessoas tentavam ganhar roupas distribuídas por empresário na cidade de Mymensigh, 132 km ao norte da capital

O Estado de S. Paulo

10 de julho de 2015 | 09h43

DACA - Ao menos 23 pessoas morreram e outras 24 ficaram feridas em um tumulto ocorrido nesta sexta-feira, 10, durante uma ação de caridade organizada por um empresário no norte de Bangladesh devido ao mês sagrado muçulmano do Ramadã, informaram fontes oficiais.

A tragédia ocorreu por volta das 5h locais (20h de quinta-feira em Brasília) em frente à residência do proprietário de uma tabacaria de Mymensingh, cidade a 132 quilômetros ao norte de Daca, segundo fontes locais.

Cerca de mil pessoas tinham se reunido após o "sehri", almoço anterior ao jejum durante o Ramadã, para ganhar roupas distribuídas pelo empresário, uma caridade da qual estão obrigados todos os muçulmanos com capacidade de fazer doações.

"A última apuração indica 23 mortos e 4 pessoas feridas que seguem no hospital", disse Mohamed Qamrul, oficial de polícia responsável pelo bairro de Kotwali, onde ocorreu a tragédia. Outras 20 pessoas receberam atendimento no local, segundo as autoridades, que realizaram oito prisões, entre elas a do empresário que organizou a ação de caridade, Shamin Talukder.

"Não há problema com ele. É um mero trâmite burocrático para investigar o que ocorreu. Shamin é uma das pessoas ricas da cidade que a cada Ramadã fazem esse tipo de distribuição", disse Qamrul.

Segundo o superintendente da polícia de Mymensingh, Moinul Haq, a rua da casa do empresário era muito estreita e a porta de acesso ao local estava parcialmente bloqueada. "As pessoas se avançaram e assim ocorreu a tragédia", explicou.

Este tipo de incidentes são frequentes no sul da Ásia, onde ocorrem muitas concentrações maciças de pessoas, especialmente durante a realização de eventos festivos religiosos. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladeshavalanche humana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.