Tunísia adia primeira reunião ministerial de novo governo de unidade

Premiê e opositores devem se encontrar para definir formação de governo e solução para crise política

estadão.com.br

19 de janeiro de 2011 | 09h23

TÚNIS - O governo de unidade nacional da Tunísia, nomeado na segunda-feira e já estremecido após a saída de quatro ministros, adiou para a quinta-feira sua primeira reunião ministerial, que estava prevista para esta quarta, 19, de acordo com o jornal espanhol El País.

 

Veja também:

blog A expansão da democracia no mundo árabe

 

O anúncio foi feito pelo novo ministro de Desenvolvimento Rural, Nejib Chebbi. O primeiro-ministro Mohhamed Ghannouchi, que deixou o partido governista na terça, vai se reunir com a União Geral dos Trabalhadores da Tunísia (UGTT). O sindicato rejeitou a formação do novo executivo e tem ligações com três dos ministros que renunciaram.

 

Ghannouchi negociará com chefes da UGTT e com líderes da oposição. A permanência de membros dos partidos da oposição no governo dependerá do resultado das conversas entre o premiê e o sindicato.

 

Os três ministros que deixaram o governo parecem se recusar a retomar seus cargos. Um quarto ministro deixou a administração na terça, mas ele não é ligado à central sindical.

 

A Tunísia vive momentos de tensão política devido às revoltas populares que derrubaram o presidente Zine El Abidine Ben Ali, no poder há mais de 20 anos. Com Ben Ali, considerado um ditador, fora do poder, a oposição pede abertura democrática e a convocação de eleições.

 

Ghannouchi tenta conter a onda de violência que tomou conta das ruas da capital, Túnis, na última semana e tem incluído membros da oposição no gabinete ministerial. Os opositores, porém, consideram as medidas insuficientes e falsas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.