Tunísia anunciará novo governo na segunda-feira, diz premiê

Presidente Zine al-Abidine Ben Ali foi deposto na sexta-feira por violentos protestos

AP e Reuters

16 de janeiro de 2011 | 17h05

TÚNIS - A criação do novo governo será anunciada na segunda-feira na Tunísia, disse o primeiro-ministro Mohamed Ghannouchi na televisão estatal. "Amanhã (segunda-feira) iremos anunciar o novo governo com o qual iremos abrir uma nova página na história da Tunísia", disse Ghannouchi.

Na sexta-feira, dia 14, a crescente revolta nas ruas contra a repressão policial e a pobreza forçou o presidente da Tunísia a deixar o poder no país do norte da África. Zine al Abedine Ben Ali, apenas o segundo presidente da Tunísia após a independência, renunciou ao cargo que ocupava desde 1987.

 

Prisões. A polícia prendeu neste domingo o ex-chefe da guarda presidencial e dúzias de outros suspeitos de tiroteios que aterrorizaram os tunisianos, como parte dos esforços para restaurar a tranquilidade. Ali Seriati e vários colegas foram detidos por acusações de conspirarem contra a segurança do Estado, informou a agência de notícias estatal TAP.

 

Mais de 50 pessoas foram presas desde sábado sob suspeita de usarem ambulâncias, carros alugados e veículos dos serviços de proteção civil em tiroteios, disse uma autoridade policial. Uma multidão comemorou hoje em Túnis quando a polícia abordou uma ambulância e prendeu o motorista. "Os criminosos estão usando ambulâncias para atirar nas pessoas", disse uma autoridade encarregada da segurança na região central, mostrando seu distintivo.

 

Violência. Um fotógrafo francês que cobria os protestos nas ruas da Tunísia está em condição crítica após ter sido atingido na cabeça na sexta-feira por uma bomba de gás lacrimogêneo lançada perto dele. "Amigos e a família do fotógrafo francês Lucas Mebrouk esclarecem que ele não morreu. Contudo, seu estado de saúde é extremamente crítico", informou sua família em comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
Tunísia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.