Tunísia apreende armamento e detém jihadista

As forças de segurança encontraram fuzis AK-47, granadas e explosivos na cidade de Sidi Bouzid

O Estado de S. Paulo

16 de abril de 2015 | 21h36

 TÚNIS - Forças de segurança da Tunísia apreenderam uma grande quantidade de armas, incluindo fuzis AK-47, granadas e explosivos, em meio aos esforços do governo para acabar os jihadistas após o atentado do mês passado contra o Museu do Bardo, que matou 21 turistas estrangeiros. O ataque na capital, Túnis, foi o mais mortífero em uma década e o grupo Estado Islâmico assumiu a responsabilidade.


"Forças especiais prenderam nesta quinta-feira um perigoso terrorista que estava com uma AK-47 e um cinturão com explosivos na cidade de Sidi Bouzid", disse uma fonte do serviço secreto sem dar mais detalhes. Foi nessa mesma cidade que teve início a Primavera Árabe, em 2011, que depois se espalhou a vários países da região. Em Sidi Bouzid, o suicídio de um jovem vendedor que teve seus produtos apreendidos pelas autoridades desencadeou uma série de protestos que levou à deposição do autocrata Zine El-Abidine Ben Ali e colocou o país do norte da África no caminho da democracia.


Após o ataque ao Museu do Bardo, que abriga uma bem conservada coleção de mosaicos romanos e é um dos principais pontos turísticos da Tunísia, a polícia tunisiana prendeu dezenas de jihadistas e matou vários militantes, entre eles o argelino Lokman Abou Sakhr. No mês passado, a Tunísia também apreendeu uma grande quantidade de armas, foguetes e minas terrestres na cidade sulista de Ben Guerdan, perto da fronteira com a Líbia.A Tunísia tem medo de que a violência na vizinha Líbia, onde o Estado Islâmico vem se expandindo, se espalhe pelo Magreb.


Na semana passada, o subsecretário de Estado americano, Antony Blinken, disse que os EUA vão aumentar a ajuda militar à Tunísia ainda este ano e ajudar a treinar as tropas do país no controle de fronteira. Esta será a primeira vez que os EUA se envolverão no treinamento de soldados tunisianos. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.