Tunísia detém suspeito de ataque a consulado dos EUA

O governo da Tunísia informou nesta quarta-feira que deteve um homem de 28 anos, tunisiano, suspeito de ter participado do ataque que ocorreu na noite de 11 de setembro deste ano contra o Consulado dos Estados Unidos em Benghazi, no leste da Líbia. No ataque foram mortos quatro diplomatas norte-americanos, entre eles o embaixador dos EUA na Líbia, Christopher Stevens. O Ministério do Interior da Tunísia disse que o suspeito, Ali Harzi, está detido em Túnis, informou a Associated Press.

AE, Agência Estado

24 de outubro de 2012 | 21h45

Também nesta quarta-feira, um oficial da polícia egípcia disse que um outro suspeito de participar do ataque, de nacionalidade egípcia, foi morto em um tiroteio perto do Cairo. O policial disse que o suspeito, chamado Hazem, voltou recentemente do Leste da Líbia à capital egípcia, onde foi surpreendido pela polícia em seu esconderijo. Ele teria reagido a tiros e acabou morto por um agente. A polícia egípcia afirma que encontrou armas no esconderijo.

No ataque da noite de 11 de setembro, Stevens, de 52 anos, e outros três diplomatas norte-americanos foram mortos por uma multidão enfurecida. A destruição do consulado em Benghazi levou a um forte debate político nos EUA e foi uma tema discutido tanto pelo presidente Barack Obama quando pelo candidato republicano Mitt Romney em dois dos três debates presidenciais.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.