Tunísia forma novo governo e cede espaço para islamistas

Ennahda, que o premiê tunisiano de má gestão após a Primavera Árabe, integrará o gabinete com a pasta do Trabalho

O Estado de S. Paulo

02 de fevereiro de 2015 | 15h00

O primeiro-ministro da Tunísia, Habib Essid, apresentou nesta segunda-feira, 2, o seu novo governo, incluindo desta vez mais partidos, inclusive o poderoso Ennahda, de orientação islamista.

Há duas semanas, Essid tentou montar um governo de minoria com apenas dois partidos, o suficiente para sobreviver a um voto de confiança do Parlamento. Desta vez, entretanto, ele e seu partido nacionalista Tunis, que tem a maioria das cadeiras do Parlamento, formaram uma coalizão com cinco partidos.

O Ennahda, que governava o país até as eleições de outubro, ficará com o ministério do Trabalho. Durante a eleição, Essid e o partido Túnis acusaram o Ennahda de má gestão do país após a revolução de 2011.

O novo governo deve agora um teste na quarta-feira, quando o Parlamento fará um voto de confiança.

A Tunísia é o país onde começaram os protestos populares que ficaram conhecidos mais tarde como Primavera Árabe. Ao contrário de seus vizinhos, entretanto, ela é o único país em que a transição democrática teve sucesso. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
Tunísiagoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.