Tunísia: líder de partido islâmico recusa antissemitismo

O líder do partido islâmico moderado da Tunísia, Rachid Ghannouchi, condenou slogans antissemitas que foram gritados por um grupo de muçulmanos ultraconservadores durante a chegada do primeiro-ministro do movimento Hamas na Faixa de Gaza, Ismail Haniyeh, a Túnis. Os eventos ocorreram na quinta-feira passada. Ghannouchi também reiterou a política do Hizb al-Nahda, ou Partido da Renascença, que lidera o novo governo da Tunísia.

AE, Agência Estado

09 de janeiro de 2012 | 14h39

"O Hizb al-Nahda condena esses slogans que não representam o espírito do Islã e nem seus ensinamentos. Consideramos aqueles que gritaram as palavras como um grupo à margem", disse Ghannouchi. Vídeos que foram postados na internet mostraram pessoas na multidão saudando Haniyeh, mas também gritando "mate os judeus" e "esmague os judeus". Os gritos vieram dos salafistas, muçulmanos ultraconservadores que recentemente, com a queda do governo autoritário, saíram da clandestinidade na Tunísia.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.