Tunisiano identificado como líder em atentado de Madri

Uma corte espanhola identificou um tunisiano como líder dos suspeitos de promover os atentados contra o sistema ferroviário de Madri no mês passado e revelou que ele fez campanha para levar a "guerra santa" à Espanha. Documentos da corte, divulgados nesta quinta-feira, acusam Sarhane ben Abdelmajid Fakhet de ter "liderado e coordenado as pessoas supostamente implicadas" nos ataques. Existem mandados internacionais de prisão pendentes contra Fakhet e outros cinco suspeitos foragidos.Entretanto, os documentos não sugerem que ele tenha sido o principal organizador dos atentados de 11 de março contra Madri, nos quais pelo menos 191 pessoas morreram e mais de 1.800 ficaram feridas. Os documentos trazem poucos detalhes sobre a suposta participação de Fakhet nos atentados.A polícia informou acreditar que alguns dos líderes dos atentados já estão entre as 19 pessoas detidas no decorrer das investigações. Quatorze suspeitos já foram indiciados - seis deles por homicídio em massa.De acordo com os documentos da corte, Fakhet, de 35 anos, era um defensor ativo da "guerra santa" e em meados de 2003 mostrava sinais de que estaria preparando algum ato violento dentro da Espanha - especificamente na região de Madri - "como uma demonstração da guerra santa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.