Turcas protestam contra vice-premiê que aconselhou mulheres a não rir em público

Opositores acusam a administração do primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, de governar de forma cada vez mais autoritária e de intervir na vida privada das pessoas

O Estado de S. Paulo, O Estado de S. Paulo

30 Julho 2014 | 16h01

ISTAMBUL - Centenas de mulheres turcas postaram fotos de si mesmas rindo no Twitter nesta quarta-feira, 30, para protestar contra os comentários do vice-primeiro-ministro, Bulent Arinc, que aconselhou as mulheres a não rir em público para "proteger os valores morais".

Melda Onur, uma parlamentar do principal partido de oposição, o CHP, disse no Twitter que os comentários de Arinc classificam risadas como um ato desonroso e deixam as mulheres sujeitas à violência.

Arinc criticou a mídia nesta quarta-feira por veicular seus comentários fora de contexto e se concentrar em uma pequena parte de seu discurso, no qual ele afirma ter aconselhado homens e mulheres a adotarem "comportamentos éticos".

"Algumas pessoas me criticam ao pegar apenas uma parte de um discurso de uma hora e meia. Que alegação infundada e repugnante. Pessoas que ouviram todos os meus comentários têm percebido isso", disse Arinc, segundo o jornal Hurriyet.

"Eu acredito que fiz um discurso útil", disse ele. "Se eu tivesse apenas dito que as mulheres não devem rir, então eu teria feito algo irracional. Mas o meu discurso foi sobre boas maneiras e preceitos morais."

Os opositores acusam a administração do primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, de governar de forma cada vez mais autoritária e de intervir na vida privada das pessoas, o que tem sido uma fonte de conflito entre os secularistas do país e os simpatizantes conservadores de Erdogan. O premiê está a caminho de se tornar o primeiro presidente eleito diretamente da Turquia, um país predominantemente muçulmano. As eleições serão realizadas no dia 10. 

Arinc, um dos cofundadores do Partido AK, de Erdogan, disse nesta semana durante a festa de Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã: "A mulher deve ter castidade ... Ela não deve rir na frente de todos e não ser convidativa em seu comportamento. Ela deve proteger sua honra".

Uma organização pelos direitos das mulheres disse que vai apresentar uma denúncia contra o vice-premiê.

Seus comentários, em que ele também criticou novelas de televisão, atraíram críticas do candidato à presidência da oposição Ekmeleddin Ihsanoglu. Ele tuitou: "Nosso país precisa que nossas mulheres riam e de ouvir o riso alegre de todos mais do que nunca."

No ano passado, a companhia aérea estatal Turkish Airlines, quarta maior empresa aérea da Europa, proibiu suas aeromoças de usar batons e unhas vermelhas. Segundo a companhia, a proibição buscava manter equipes "com maquiagem em tons pastéis" visando melhorar a comunicação com os passageiros. 

A orientação seguia outras restrições, como a proibição de servir bebidas alcoólicas nos voos. Para os críticos, as determinações refletem a influência dos valores religiosos conservadores do governo na companhia aérea estatal, uma das marcas mais reconhecidas da Turquia. / REUTERS  

Mais conteúdo sobre:
Turquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.