Turco que tentou assassinar João Paulo II ganha liberdade condicional

Mehmet Ali Agca, o turco que em 1981 tentou assassinar o papa João Paulo II foi posto em liberdade condicional nesta quinta-feira. Agca, de 48 anos e que passou mais de 25 na prisão, saiu vestido de azul pela porta da prisão de Kartal, em Istambul, onde era esperado por seu irmão, Adnan, e seu advogado, Mustafa Demir, além de mais ou menos 200 jornalistas e vários curiosos.Alguns dos presentes jogaram flores sobre o carro que transportava Agca, que se afastou do local em meio a um forte dispositivo de segurança. O destino imediato do extremista turco será agora o hospital militar "Gatuna Haydar Pacha Egitim", de Ancara, onde terá que submeter-se a exames médicos para todos que são recrutados pelo serviço militar. "Agca quer fazer o serviço militar, mas também vai fazer uso de seus direitos", disse o advogado aos jornalistas.Agca disparou e feriu em 13 de maio de 1981 João Paulo II na Praça de São Pedro, em Roma, e foi condenado à prisão perpétua na Itália, onde cumpriu quase 20 anos na prisão. Após ser indultado pelas autoridades italianas, Agca foi extraditado, em julho de 2000, à Turquia, onde respondeu pelo assassinato em 1979 de Abdi Ipekci, diretor do prestigioso diário esquerdista Milliyet.A imprensa local divulgou nesta semana que o governo italiano ofereceu proteção total a Agca, em troca de revelações dos mistérios que cercam a tentativa de assassinato do papa, do qual é o único autor confesso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.