Turcos libertados pelos EUA voltam ao norte do Iraque

O Exército dos Estados Unidos libertou 11 soldados especiais da Turquia depois de mantê-los presos durante mais de dois dias, o que fez estremecer ainda mais os laços entre os dois aliados na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e causando revolta na cúpula militar turca. De acordo com os soldados dos EUA, o grupo planejava agir contra autoridades civis curdas iraquianas na região. A Turquia nega a existência de qualquer plano nesse sentido. Os 11 turcos, junto com 13 iraquianos, foram detidos na cidade de Sulaymaniyah no norte do Iraque por soldados americanos da 173ª Divisão Aerotransportada na última sexta-feira e foram libertados no fim da noite de ontem depois de intensas consultas diplomáticas entre Ancara e Washington. O incidente ocorre num momento em que divergem cada vez mais os interesses dos dois aliados com relação ao Iraque. Com a queda do regime liderado por Saddam Hussein, as autoridades americanas trabalham agora em conjunto com os curdos iraquianos para determinar o futuro do país. A Turquia, por sua vez, está profundamente preocupada com a crescente influência dos curdos no Iraque e teme que isso possa encorajar os rebeldes separatistas curdos estabelecidos em seu território. Os dois países foram aliados muito próximos durante as últimas cinco décadas. As relações deterioram-se em março, quando o Parlamento turco impediu a passagem de 60.000 soldados americanos por seu território para promover a invasão do Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.