Turcos seqüestram avião em protesto contra visita do papa à Turquia

Um avião da companhia aérea Turkish Airlines levando mais de 100 passageiros foi seqüestrado nesta terça-feira em um protesto de militantes turcos contra o plano de visita do papa Bento XVI à Turquia no mês que vem. O Boeing 737-400, que foi seqüestrada em espaço aéreo grego após decolar da Albânia, aterrissou no aeroporto de Brindisi, na Itália, após ser escoltado por caças gregos. O destino original do vôo era a cidade de Istambul, na Turquia. Segundo as autoridades italianas, os seqüestradores, que estariam desarmados, negociavam a libertação dos passageiros. A informação foi confirmada pelo vice-governador de Istambul, que acrescentou que os militantes concordaram em se entregar.O ministro dos Transportes turco disse que os seqüestradores estão pedindo por asilo político na Itália."Eles não parecem ser particularmente hostis nem parecem estar armados", disse o vice-diretor da agência de aviação civil italiana, Salvatores Sciacchitano. Em entrevista às agências de notícias turcas, o diretor da Turkish Airlines, Candan Karlitekin, confirmou que a aeronave foi seqüestrada por dois turcos em protesto contra a visita de Bento XVI à Turquia prevista para novembro. "Os passageiros não estão sendo ameaçados. Eles se entregarão. Disseram isso no momento em que o avião foi seqüestrado", disse Karlitekin, que destacou que ninguém ficou ferido.Segundo Sciacchitano, os seqüestradores querem uma permissão para fazer uma declaração de protestos contra o papa. "Até onde sabemos, os seqüestradores querem falar com as autoridades italianas para mandar uma mensagem ao papa", disse Sciacchitano à agência de notícias Reuters. O aeroporto está fechado.Texto ampliado às 14h43

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.