Turista espacial se prepara para voltar à Terra

Depois de passar uma semana admirando a Terra da Estação Espacial Internacional (ISS), o turista Dennis Tito retornará amanhã à gravidade. A cápsula espacial Soyuz, carregando o famoso turista espacial, que pagou US$ 20 milhões, e mais dois cosmonautas, aterrissa em uma região desértica do Casaquistão. Depois ele será levado à capital Astana, onde passará por uma série de exames médicos e participará de uma cerimônia de boas-vindas.O milionário norte-americano de 60 anos voará a Moscou para ser recepcionado na Cidade das Estrelas, centro de entretenimento dos cosmonautas russos, onde foi preparado durante meses.A viagem de Tito ocorreu sem problemas, apesar da polêmica envolvendo a agência espacial norte-americana Nasa, que foi contra o projeto. Para a Nasa, a presença de um turista na estação espacial poderia trazer prejuízos às 16 nações que participam do projeto.Os oficiais da agência espacial russa no entanto, afirmaram que o treinamento do turista foi tão eficiente quanto de qualquer outro astronauta profissional.Apesar de ter passado por um pequeno mal estar durante a viagem, Tito expressou estar fascinado com a experiência e vai querer incentivar outras pessoas a fazerem o mesmo. "Viver no espaço é como ter uma vida diferente, viver em um mundo diferente", afirmou durante a semana.Porém, o chefe da Nasa, Daniel Goldin, declarou que a aventura de Tito causou uma incrível tensão à agência espacial norte-americana. "Tito não se deu conta do enorme esforço de milhares de pessoas nos EUA e na Rússia que estão trabalhando para proteger sua segurança e a segurança de todos", afirmou Goldin.Apesar das controvérsias políticas, a empresa norte-americana Space Adventures, que auxiliou Tito em sua viagem espacial, informou que já recebeu várias propostas de pessoas dispostas a pagar dezenas de milhões de dólares para realizar uma viagem similar à de Tito.Mais de cem pessoas já teriam feito reservas para passeios espaciais pela órbita do planeta, uma opção relativamente mais econômica, que custa US$ 98 mil por pessoa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.