Turistas europeus são seqüestrados na Etiópia

Um grupo de turistas franceses, britânicos e italianos e seus ajudantes etíopes desapareceram na Etiópia, possivelmente vítimas de um seqüestro, segundo informações do Ministério do Exterior britânico.Entre os turistas, estavam funcionários da Embaixada britânica na capital, Adis-Abeba, e seus familiares. O governo britânico afirmou que seu desaparecimento tem uma "dimensão de segurança nacional".Segundo a polícia da Etiópia, os turistas foram seqüestrados com outros 13 ajudantes etíopes em uma região remota no nordeste do país, a cerca de 800 quilômetros de Adis-Abeba.A ministra de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Margaret Beckett, afirmou que o governo britânico está trabalhando com as autoridades etíopes, que "estão fazendo todo o possível para assegurar que a situação seja resolvida de forma pacífica".O governo britânico vai enviar uma equipe à região para ajudar nos trabalhos de busca.Mais cedo, Bereket Simon, assessor de comunicação do primeiro-ministro da Etiópia, disse à agência de notícias AFP que o governo "ouviu falar de um seqüestro" e que estava "tentando confirmar o paradeiro (das pessoas desaparecidas)"."Faremos o possível para garantir sua segurança", disse Simon.Número de desaparecidosHá informações desencontradas sobre o número exato de turistas desaparecidos. A operadora de turismo Origins Ethiopia, organizadora da viagem, afirma que 10 turistas supostamente seqüestrados - que não conseguiam ser localizados porque seus telefones via satélite não estavam funcionando - estão em segurança. Segundo informações da agência de notícias estatal da Etiópia, os turistas foram seqüestrados perto da fronteira com a Eritréia por "homens desconhecidos".O grupo viajava pelo deserto de Afar, um dos mais quentes e hostis do mundo. Os etíopes desaparecidos eram motoristas e tradutores dos turistas, segundo a polícia etíope.Há relatos de que seriam dois grupos desaparecidos - um formado principalmente por franceses, e o outro com turistas de diversas nacionalidades.Diplomatas franceses na Etiópia afirmaram que pelo menos alguns dos turistas foram realmente seqüestrados."Com certeza ocorreu um seqüestro... Aconteceu na noite de quarta-feira", disse o embaixador francês na Etiópia, Stephane Gompertz, à AFP.Um empresário que trabalha na região disse à agência de notícias AP que um integrante do grupo conseguiu escapar e usou um telefone via satélite para alertar as autoridades.O Afar é um deserto conhecido por seu terreno difícil e pela ação de bandidos e de um pequeno grupo rebelde na região.Segundo a agência de notícias Reuters, turistas mais corajosos participam de expedições ao Vale de Danakil, conhecido por suas minas de sal e vulcões ativos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.