EFE/EPA/DIMITRIS TOSIDIS
EFE/EPA/DIMITRIS TOSIDIS

Turquia acusa Grécia de matar imigrante a tiros na fronteira; Atenas nega

Incidente, não confirmado pelo governo da Grécia, é mais um capítulo da crise migratória na fronteira greco-turca

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2020 | 09h15

ATENAS E PAZARKULE, TURQUIA - Autoridades turcas declararam que um imigrante foi morto nesta quarta-feira, 4, por tiros das forças policiais da Grécia, enquanto tentava cruzar a fronteira entre os dois países. Atenas refutou a acusação e disse se tratar de uma notícia falsa do governo turco.

O caso teria acontecido na região próxima a Erdine, no noroeste da Turquia, que faz fronteira com o território grego. De acordo com o governo da província, um grupo de seis imigrantes foram feridos com tiros disparados pela polícia grefa. Um dos feridos, que não teve a nacionalidade informada, teria morrido em decorrência de um ferimento no peito.

O governo grego se apressou em refutar a história divulgada pela Turquia. O porta-voz de Atenas, Stelio Petsas, afirmou que se trata de uma fake news criada pelo país vizinho.

"A Turquia fabrica notícias falsas. Fabricou mais uma hoje: supostos feridos por disparos gregos. Os desminto de maneira categórica", afirmou.

A crise migratória na fronteira greco-turca segue sem solução, desde que a Turquia anunciou que passaria a não impedir a passagem de imigrantes que desejam chegar à Europa.

Nessa terça-feira, 3, autoridades da União Europeia se mobilizaram na área que é foco das tensões para tentar solucionar a crise. Os presidentes da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, do Conselho Europeu, Charles Michel, e do Parlamento Europeu, David Sassolli, viajaram para a Grécia, enquanto o chefe da diplomacia Europeia, Josep Borrell, viajou para a Turquia, para iniciar as negociações com o governo de Recep Tayyip Erdogan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.