Turquia acusa grupos ligados a Assad por explosões

Grupos ligados ao regime do presidente sírio Bashar Assad estão por trás das explosões de dois carros-bomba na Turquia neste sábado, 11, que deixaram pelo menos 41 mortos e 100 feridos, disse o ministro do Interior da Turquia, Muammer Guler. "As pessoas e a organização que realizaram esse ataque foram identificadas. Descobrimos que elas são ligadas a grupos que apoiam o regime sírio e aos serviços de inteligência do país", disse Guler à emissora de TV TRT.

AE, Agência Estado

11 de maio de 2013 | 18h50

O secretário geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, condenaram veementemente o ataque. Ban Ki-moon ofereceu condolências às famílias das vítimas e ao povo turco e disse esperar que os responsáveis sejam identificados rapidamente e levados à justiça, segundo o porta-voz da ONU Martin Nesirky.

"Essa notícia horrível nos atinge de forma mais pessoal, já que temos uma parceria estreita com a Turquia, e muitas vezes a Turquia foi um interlocutor essencial no meu trabalho como secretário de Estado nesses últimos três meses", disse Kerry, em nota.

As explosões ocorreram em Reyhanli, que fica a apenas alguns quilômetros da principal passagem de fronteira que dá acesso à Síria.

Mais cedo, o vice-primeiro-ministro da Turquia, Bulent Arinc, disse que o regime de Assad possivelmente estaria por trás do ataque - o pior ocorrido na Turquia desde o início dos conflitos no país vizinho.

O ministro turco de Relações Exteriores, Ahmet Davutoglu, disse durante visita a Berlim que "não é coincidência" o fato de o ataque ter ocorrido num momento em que os esforços diplomáticos internacionais estão se intensificando para resolver a crise na Síria.

Os EUA e a Rússia, um dos poucos países que ainda apoiam o regime de Assad, se comprometeram esta semana a retomar os esforços para encontrar uma solução para o país. Segundo estimativas da ONU, cerca de 70 mil pessoas foram mortas desde o início dos conflitos na Síria, em março de 2011. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaatentadoSíriaAssadexplosões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.