Adem Altan/AFP
Adem Altan/AFP

Turquia afirma que vai pressionar Otan sobre abate de avião militar

Governo turco considera que a derrubada de seu caça foi um ataque contra toda a aliança militar

estadão.com.br,

25 de junho de 2012 | 16h51

ANCARA - O governo da Turquia afirmou, nesta segunda-feira, 25, que vai pressionar a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) a considerar o ataque da Síria contra seu caça como um ataque contra toda a aliança militar. O anúncio foi feito após uma reunião para discutir o incidente.

Veja também:

link Ancara diz que abate, pela Síria, de avião militar foi intencional

link Otan discutirá derrubada de caça turco em reunião de emergência

Apesar da frustração de vários países da Otan com o conflito na Síria, onde os opositores dizem que as forças aliadas do presidente Bashar Al-Assad já mataram 14 mil pessoas, é improvável que a aliança militar realizr alguma ação armada contra a Síria.

Em entrevista coletiva transmitida por redes de televisão locais, o porta-voz do Executivo de Ancara e vice-primeiro-ministro, Bulent Arinc, explicou que, após o caça F4 sumir dos radares, a Turquia enviou vários aviões, helicópteros e navios militares à região do incidente para buscar os destroços da aeronave derrubada e seus tripulantes.

As forças sírias abriram então fogo contra um avião bimotor turbohélice, mas interromperam o ataque "imediatamente após o exército turco as ter contactado", disse o vice-primeiro-ministro após participar de uma reunião do gabinete de Recep Tayyip Erdogan.

O tema principal do Conselho de Ministros, que durou sete horas, foi a eventual resposta à derrubada de seu avião militar, apesar da prioridade de Ancara continuar sendo a busca e resgate dos dois pilotos da aeronave, ainda desaparecidos.

Arinc ressaltou que a Turquia não quer a guerra, mas não descartou uma represália. "Não temos intenção de declarar a guerra a ninguém, mas faremos tudo o que for necessário", disse.

O porta-voz insistiu hoje na versão de Ancara expressada ontem pelo chanceler turco, Ahmet Davutoglu, de que o primeiro caça foi abatido sem nenhuma advertência quando estava em espaço aéreo internacional. "A Turquia se reserva os direitos derivados da lei internacional, incluindo o direito à represália. A Turquia não hesitará em dar os passos necessários como resposta", ressaltou Arinc.

Segundo a imprensa turca, Erdogan informou aos líderes políticos da oposição sobre a descoberta de quatro botas militares que, acredita-se, pertenciam aos dois tripulantes, e teme que ambos tenham se afogado ao afundarem junto com o avião abatido.

Os turcos estão à espera de que Erdogan fale sobre as possíveis retaliações durante um discurso, amanhã, ao grupo parlamentar de seu partido. A imprensa local especula que Ancara não vai decretar uma guerra contra o país vizinho, mas tentará fazer com que Damasco "pague" por seu ataque.

Com Efe e AP

 
Mais conteúdo sobre:
TurquiaSíriaOtanreuniãocaças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.