Turquia ameaça medidas contra o regime sírio

A Turquia cancelou nesta terça-feira seus projetos para explorar petróleo na Síria, em meio a um aumento nas tensões entre Ancara e Damasco por causa da escalada na repressão do regime sírio aos manifestantes. Segundo ativistas, pelo menos 90 pessoas foram mortas em episódios violentos ao redor da Síria na segunda-feira, grande parte na província sulista de Deera, onde ocorreram confrontos entre soldados desertores e regulares. A Turquia também ameaça cortar seu fornecimento de eletricidade à Síria, em retaliação aos ataques de partidários do presidente Bashar Assad contra o consulado turco na cidade de Latakia.

AE, Agência Estado

15 de novembro de 2011 | 16h29

O ministro da Energia da Turquia, Taner Yildiz, anunciou que seu país arquivou os planos da petrolífera turca Tpao, de explorar petróleo na Síria em seis poços. Yildiz também ameaçou cortar o fornecimento turco de eletricidade à Síria se as tensões continuarem.

"Até agora, fornecemos eletricidade à Síria. Mas se o regime (sírio) continuar neste curso, poderemos reconsiderar essas decisões", disse Yildiz.

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou o presidente sírio Bashar Assad pelo ataque ao consulado turco no sábado. Erdogan afirmou que a Turquia não confia mais no regime de Assad e alertou que a sangrenta repressão desfechada pelo autocrata ameaça colocá-lo na lista de líderes que se "alimentaram de sangue". No sábado, partidários de Assad queimaram uma bandeira da Turquia no consulado turco em Latakia, no Mediterrâneo.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.