Turquia anuncia que enviará tropas ao Afeganistão

A Turquia anunciou hoje que enviará tropas especiais para o Afeganistão, tornando-se o primeiro país muçulmano a unir-se aos ataques liderados pelos Estados Unidos contra os governantes talebans de Cabul e Osama bin Laden, o suposto cérebro dos ataques terroristas de 11 de setembro.A Turquia, que é membro da Otan, afirmou que enviará uma unidade de 90 homens para o norte do Afeganistão a fim de combater terroristas, treinar combatentes anti-Taleban e apoiar operações humanitárias.A contribuição da Turquia é o mais recente sinal de que as forças aliadas estão se preparando para uma sustendada campanha de assaltos de surpresa promovidos por pequenas unidades de elite.A Grã-Bretanha, Austrália e Canadá estão enviando forças especiais para lutarem ao lado de tropas americanas, e a França está estudando fazer uma contribuição semelhante.A força da Turquia também iria efetuar missões de reconhecimento, assim como protegeria e evacuaria civis, segundo o anúncio do escritório do premier turco.Forças especiais da Turquia têm experiência em guerra de guerrilha por combaterem rebeldes curdos por mais de 15 anos no montanhoso norte turco. Protestos - O primeiro-ministro Bulent Ecevit disse que a força poderá seguir para a região o mais rápido possível a fim de assumir posições no norte do Afeganistão e trabalhar em estreita coordenação com as tropas americanas já na área.Entretanto, tal mobilização pode provocar protestos na Turquia onde pesquisas sugerem que mais de 80% dos turcos se opõem ao envio de tropas ao Afeganistão. Alguns turcos não se sentem confortáveis com ataques a outro país muçulmano, mas a maioria teme que a guerra possa se espalhar para o Iraque e depois chegar à Turquia, aprofundando a já intensa crise econômica.A polícia usou hoje gás lacrimogêneo e cassetetes para dispersar um grupo de universitários em Istambul que gritava slogans anti-EUA e condenavam os ataques contra o Afeganistão. Cinqüenta estudantes foram detidos."Aqueles que apresentam essa campanha como uma ação contra o Islã estão contradizendo os altos valores do Islã, que é uma religião de paz", afirmou o comunicado do escritório de Ecevit. "O sucesso da operação liderada pelos EUA é pelo bem da humanidade". Aliança do Norte - O comunicado informa que a decisão foi cuidadosamente avaliada pelas lideranças civil e militar à luz das obrigações da Turquia com a Otan e um pedido de Washington na semana passada. O gabinete turco aprovou a decisão nesta quinta-feira.A Turquia tem antigos contatos com grupos de oposição do Afeganistão, especialmente com as forças do general Rashid Dostum, um dos líderes da Aliança do Norte. Combatentes de Dostum são na maioria usbeques, um grupo étnico com estreitos contatos com os turcos. Os talebans são majoritariamente pasthuns étnicos.Leia o especial

Agencia Estado,

01 de novembro de 2001 | 14h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.